PLACAR

Sinner reencontra Vavassori: “O som da bola dele era diferente”

Andrea Vavassori e o pai Davide. (Foto: Andrew Eichenholz/ ATP Tour)

Miami (EUA) – Nesta sexta-feira dois italianos vão se enfrentar pela primeira vez  na segunda rodada do Miami Open: Jannik Sinner, de 22 anos, atual campeão do Aberto da Austrália, e Andrea Vavassori, de 28, 148º do ranking da ATP. Mas eles não são totalmente desconhecidos um do outro.

Há cinco anos, Sinner, então com 17 anos, conquistou seu primeiro título do ATP Challenger Tour em Bérgamo, Itália. Fora do top 500 do ranking, o italiano se aqueceu para uma de suas partidas com o compatriota Vavassori.

“É uma grande oportunidade jogar contra ele”, disse Vavassori ao ATPTour.com. Esta será apenas a terceira partida de simples na chave principal de um Masters 1000 da carreira do jogador de 28 anos. Um deles aconteceu no Mutua Madrid Open do ano passado, em que Vavassori surpreendeu o ex-número 1 do mundo, Andy Murray. Agora ele terá uma chance contra o melhor jogador da história de seu país, o atual número 3 do mundo.

“Eu não o conhecia antes porque nossa idade é um pouco diferente, mas acho que ele é um cara legal”, disse Vavassori sobre Sinner. “Ele está fazendo um trabalho incrível com sua equipe. Ele se cercou de ótimas pessoas e acho também que sua calma é inacreditável”, disse. “Ele também é um cara normal, como disse em entrevistas. Um cara normal que está fazendo um trabalho incrível e seguindo seus sonhos. É inspirador para nós também na Itália.”

Quando eles se encontraram brevemente, Sinner era um adolescente em ascensão. Vavassori viu algo especial nele. “Com certeza, percebi ao ouvir o som da bola, a explosão, ele era diferente dos outros. É ótimo ver todas as melhorias que ele fez nesses anos e também sua mentalidade”, disse Vavassori. “O som de seus forehands e backhands é diferente do dos outros jogadores. Vou tentar fazer o meu melhor”, comentou rindo.

Desde os três anos, Vavassori jogava tênis. O esporte rapidamente se tornou uma parte importante de sua vida, pois seu avô tinha uma quadra em sua casa em Rivoli. Na verdade, seu pai aprendeu o esporte na mesma quadra e se tornou treinador.

“Tinha escola normal, então, quando terminei, aos 18 anos, comecei a fazer treinamento mais profissional, viajando e jogando Futures. Mas tive um crescimento normal, foi passo a passo.”

Segundo Vavassori, sua família viveu “momentos especiais” na quadra de seu avô. Sua irmã Sara, dois anos mais nova, jogava lá com ele e o tênis passou a ser uma atividade familiar. “Meu avô era fã do esporte”, disse Vavassori. “Ele queria me ver crescer no tênis, acompanhou toda a minha vida no tênis quando eu era criança e era um dos meus maiores fãs.”

Vavassori só chegou ao top 500 aos 23 anos e seu sucesso inicial nos escalões superiores do esporte veio em duplas. Em 2020, entrou no top 100 e, desde então, ganhou quatro títulos de duplas do ATP Tour.

O sucesso nas duplas ajudou seu jogo de simples, a melhorar todos os aspectos do seu tênis e com um grande saque e forehand, e sem problemas para chegar à rede. “Muitos jogadores não estão acostumados com esse tipo de jogo”, disse Vavassori. “Acho que posso causar danos reais aos meus oponentes.”

Em junho passado, Vavassori alcançou o número 128 do mundo, o melhor de sua carreira, e está avançando para chegar ao Top 100 em simples. Seu pai ainda o treina e está em Miami.

“É uma ótima jornada. Acho que fizemos um ótimo trabalho. Cresci passo a passo, a cada ano eu colocava tijolo sobre tijolo e meu nível aumentava. Eu não tive paradas”, disse Andrea. “Acho que minha carreira de duplas me ajudou muito em simples e minha confiança está aumentando cada vez mais. Acho que é o melhor momento da minha carreira até agora, então tenho que continuar sonhando e veremos o que vai acontecer.”

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja como foi a espetacular vitória de Fonseca sobre Sonego

Nadal pode ter feito seu último jogo oficial em Barcelona

PUBLICIDADE