PLACAR

Sergipanos e paulistas vencem o BT 10 do Macena

Luiz Loeser (à esquerda) e Igor Candia, campeões (Fotop)

Marechal Deodoro (AL) – Terminou na noite deste domingo a terceira edição do Macena Open, o evento recorde mundial com 1.702 atletas de 13 países realizado na Praia do Francês, em Marechal Deodoro (AL), com chancela da Federação Internacional de Tênis, Confederação Brasileira e Federação Alagoana.

O último dia do torneio foi reservado para a disputa do torneio profissional BT 10, sem premiação, mas com pontos no ranking mundial. No masculino, o troféu ficou com a dupla sergipana de Luiz Loeser e de Igor Candia. Eles bateram a dupla do alagoano Pedro Consiglio e Pedro Arruda, de Pernambuco, por 6/3 6/2.

“É minha primeira conquista de ITF. O caminho é duríssimo. Agora vemos nosso esforço recompensado com essa conquista aqui em Marechal Deodoro. Parabéns ao Macena Open, organização sensacional, agradeço a minha esposa, que segurou a barra com minha filha de um mês”, disse Loeser. “Muito feliz vencer ao lado desse cara incrível de minha cidade, só comemorar agora”.

Andrea Sforzin (à esquerda) e Ynae Freitas, campeãs (Fotop)

Já no feminino, a conquista foi das paulistas Andrea Sforzin, de São Bernardo do Campo, e Ynae Freitas, de Campinas, que marcaram 6/1, 4/6 e 10/8 sobre Gabriela Martins e Ana Clara Assis. É o primeiro título delas no circuito mundial. “Primeira vez juntas, batalhamos muito. Fizemos nosso primeiro play aqui mesmo, que tinha sido um desastre (risos)”, disse Sforzin. “Ventou bastante, isso influenciou. É nosso primeiro título de ITF, estamos muito felizes”, completou Freitas.

A novidade foi o Maceninha Open, para crianças até 11 anos. No feminino, o título foi da dupla de Maceió formada por Marlene Andrade e Liz Rezende. No masculino, o troféu ficou com os mini-atletas de Aracaju (SE), os irmãos Lion e Davi Schuster. “Foi legal ganhar o título. No começo, eu estava tensa, depois eu relaxei e ganhamos o jogo”, disse Marlene.

Lucas Romariz, da Paxá Sports, um dos organizadores do evento, fez um balanço positivo da competição. “Estamos muito felizes com a terceira edição do Macena Open. Foram semanas de muito trabalho e desafios, mas saímos realizados com a entrega de um evento que entrou para a história batendo recorde de atletas, trazendo todos os top 10 do mundo e com grande público. Queremos agradecer a cada um que jogou, participou e compareceu nestes cinco dias de evento.”

Westrupp elogia a competição

Presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Rafael Westrupp prestigiou a terceira edição do Macena Open. “É uma alegria muito grande estar aqui. Sempre que tiver agenda para estar presente em grandes torneios de beach tennis, o farei. Preciso agradecer a hospitalidade e linda recepção do presidente da Federação Alagoana, Gilson França, do André Macena e dos organizadores”, destacou Westrupp. Somente no Brasil foram cerca de 90 torneios em 2023.

Westrupp, que foi eleito recentemente como o primeiro sul-americano vice-presidente da Federação Internacional de Tênis e presidente da Confederação Sul-Americana de Tênis, ressaltou a consolidação no país. “O Beach é um esporte extremamente consolidado no Brasil, todos os números mostram isso. Foram 800 mil dólares distribuídos por ano, cerca de 4 milhões de reais, superando até o calendário do tênis profissional. Recorde em número de inscritos aqui. Este ano, também tivemos recorde em visualizações de um canal específico de beach tennis, o PlayBT, com quase 14 mil visualizações simultâneas, o que é um impacto de quase 100 mil pessoas assistindo.”

Para 2024, o calendário deve ficar ainda maior no Brasil com mais de 100 torneios, que estão sendo escolhidos de acordo com a qualidade. “A demanda é muito alta. Prezamos pela qualidade, O Brasil é o epicentro do beach tennis, muitos estrangeiros vindo morar aqui, ganhando em dólar e gastando em real, ganhando pontos importantes aqui. A tendência é de crescimento, mas sempre mirando a qualidade. O Macena Open é o grande exemplo, poderia citar outros grandes eventos do Brasil. Isso é padrão que a gente quer para os eventos.”

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE