PLACAR

Rune lamenta passividade: “Deixei-o à vontade”

Foto: Tennis Australia

Melbourne (Austrália) – A rodada de quinta-feira no Australian Open foi repleta de surpresas, e uma delas foi protagonizada pelo convidado francês Arthur Cazaux, de 21 anos e 122º do ranking, que superou o dinamarquês Holger Rune, número 8 do mundo, ainda na segunda fase do torneio pelo placar de 7/6 (7-4), 6/4, 4/6 e 6/3, em 3h22 de partida.

Eliminado na primeira rodada do Grand Slam australiano em 2022, Rune confessou ter ficado bastante decepcionado com a segunda queda precoce em três anos em Melbourne, mas quer utilizar o resultado negativo como aprendizado para o restante do ano.

“Desde a pré-temporada me dediquei para ser o melhor possível. Portanto, é claro que estou decepcionado, mas agora tenho que seguir em frente e melhorar. É uma pena, mas temos que ver o que deu certo e o que não saiu tão bem. Tenho que voltar mais forte e pensar nas coisas que preciso melhorar”, explicou o jogador de 20 anos.

Em relação à partida, o dinamarquês lamentou a maneira como permitiu o adversário controlar o jogo para derrotá-lo, sugerindo que o francês não tinha nada a perder e por isso foi bastante agressivo.

“Quando se está na posição que estou, todos jogam livremente. A mesma coisa aconteceu comigo em Brisbane contra o [Alexander] Shevchenko”, recordou a vitória apertada contra o ucraniano há 15 dias. “Mas quando você permite que eles joguem bem, eles jogarão bem 100% porque não têm nada a perder. Arthur também não tinha nada a perder, foi em frente e eu o deixei à vontade para fazê-lo. Não coloquei pressão suficiente, mas ele jogou um bom tênis e o crédito é dele”, concluiu.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Do outro lado, Cazaux afirmou saber que Rune é um grande lutador, mas que entrou preparado para o desafio de encarar o oitavo melhor jogador do mundo. Segundo ele, a força mental foi a peça-chave para o triunfo desta quinta-feira.

“Qual foi a chave? Eu acho que minha cabeça, meu mental. Já faz alguns meses que estou treinando muito forte. Minha condição física, minha cabeça, meu tênis e todas essas coisas juntas me deram a vitória hoje. Eu sabia que poderia jogar nesse nível, então estou feliz por provar a todos que posso ser esse tipo de jogador”, declarou.

“Conheço Holger há muito tempo. Jogamos muitas vezes no juvenil. Agora ele é um craque, e mudamos muitas coisas nos nossos jogos. Eu o assisto todas as semanas no circuito, então sei como ele joga, mas estava focado no meu jogo, no que faço de melhor. Somos dois grandes lutadores, muito físicos. Espero jogar novamente contra ele e fazer uma grande batalha como hoje”, finalizou.

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
RODRIGO
RODRIGO
1 mês atrás

Mesma conversinha de sempre. HOLGER RUIM não cansa de dar vexame. Falar bem a verdade hoje só tem 3 tenistas que dá pra levar a sério no circuito: Novak, Jannik e Carlitos. O resto, nem perco tempo assistindo…

Fernando Venezian
Fernando Venezian
1 mês atrás

O jovem francês jogou muito! O cara é cheio de recursos! Vá dar desculpinha pra lá, Rune! Você foi surpreendido e pronto! kkkkkk

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE