PLACAR

Pegula fatura segundo 1000 e mantém top 3

Foto: WTA

Montréal (Canadá) – Um dia depois de bater a número 1 do mundo, a norte-americana Jessica Pegula esbanjou confiança e precisão para conquistar com facilidade o segundo troféu de nível 1000 de sua carreira. Poucas horas depois de jogar três sets na semi adiada de sábado, a russa Liudmila Samsonova não foi competitiva e Pegula marcou fulminantes 6/1 e 6/0.

Com a ótima campanha, Pegula permanece no terceiro lugar do ranking e chega a 41 vitórias em 54 jogos já feitos na temporada. Ela ainda não tinha títulos neste ano e agora soma três na carreira, incluindo o 1000 de Guadalajara em outubro do ano passado e o de Washington em 2019. De quebra, faturou o prêmio de US$ 454.500.

Aos 29 anos, Pegula se torna a primeira tenista de seu país a ganhar o WTA canadense desde Serena Williams, em 2013, e a primeira americana a vencer na cidade de Montréal desde Monica Seles, em 1998.

A decisão foi um tanto frustrante, já que Samsonova atuou bem abaixo do que fizera no começo da tarde diante de Elena Rybakina, quando saiu atrás e marcou excelente reação. Com Pegula muito firme no saque e com variações constantes de direção, a russa não achou resposta e por vezes apressou demais os pontos.

O primeiro set durou apenas 21 minutos e a russa ganhou somente 11 pontos, seis deles com seu próprio saque. Foi ao vestiário no intervalo, mas isso não esfriou a determinação de Pegula, que continuou forçando devoluções. A profundidade das bolas da americana deixaram Samsonova ainda mais desconfortável. Na estatística final, Pegula fez 16 winners contra 6 e cometeu 3 erros contra 33.

Curiosamente, os três encontros anteriores entre as duas havia terminado no terceiro set, o que aconteceu no saibro de Roma, na grama de Wimbledon e no piso duro de Cincinnati. Samsonova somou vitórias também sobre Aryna Sabalenka e Belinda Bencic e reaparecerá nesta segunda-feira no 12º lugar do ranking, repetindo seu recorde pessoal.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE