PLACAR

Mirra enfrenta o 845º do mundo e perde exibição

Foto: WTA

Bourg-de-Péage (França) – Foi um dia bem fora do comum na exibição realizada na cidade francesa de Bourg-de-Péage. Classificada para a final, a ucraniana Marta Kostyuk se recusou a enfrentar a adolescente Mirra Andreeva, que tem sido acusada de apoiar publicações pró-Rússia e até mesmo dar um ‘like’ numa publicação que sugeria a morte do presidente Zelenski.

Com tamanha saia justa, os organizadores tiveram de improvisar e aí chamaram o local Yanis Ghazouani Durant, tenista de 23 anos que ocupa apenas a 845ª posição no ranking da ATP neste momento e ainda disputa torneios de nível future.

E qual foi o resultado? Ele venceu a 57ª do mundo em sets diretos, parciais de 7/5 e 6/2.

10 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Rbclima
Rbclima
7 meses atrás

Esperavam algo diferente? As duas categorias são biologicamente bem distintas. A menina n tinha chance nenhuma.

Paulo A.
Paulo A.
7 meses atrás
Responder para  Rbclima

Exato! Também concordo.

Leonardo
Leonardo
7 meses atrás
Responder para  Rbclima

Exatamente, a diferença de potencia e velocidade é muito grande, mesmo sendo a numero 57 do mundo, que sugere que tem uma tecnica mais apurada que o numero 845 do mundo, ela não vai conseguir gerar potencia suficiente para ganhar pontos de forma consistente. Por outro lado, ele vai chegar mais facilmente e inteiro nas bolas, vai gerar muito mais potencia e conseguir winners contra ela que seriam facilmente alcançados por um outro tenista masculino no top 100

Paulo A.
Paulo A.
7 meses atrás

Palhaçada misturar esporte com política! E já está claro que a Ucrânia, a cada dia, fica mais e mais distante da vitória.

Carlos
Carlos
7 meses atrás

Nossa! Que feito!

Carlos
Carlos
7 meses atrás

E essas meninas da Ucrânia… Querem levar a guerra para as quadras, se recusam a cumprimentar oponentes… Lamento por toda e qualquer guerra, ato mais estupido que existe. Mas elas poderiam usar o esporte para passar uma mensagem diferente. O esporte tem esse poder, essa magia… Mas elas preferem nivelar por baixo.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
7 meses atrás

Independentemente do motivo, lamentável quem teve a idéia de fazer competição entre sexos. Além de tudo, de um lado estava um homem adulto de 23 anos e do outro uma adolescente de 16 anos, não totalmente formada. Grande demonstração de machismo dos organizadores e resultado totalmente esperado. Parabéns à Mirra Andreeva pelo empenho e por ter dado o seu melhor. Tive a impressão de que o vencedor estava um pouco constrangido no cumprimento na rede ao final do jogo.

Leonardo
Leonardo
7 meses atrás

Aí eu discordo. Machismo em que? O que tentaram foi tentar salvar algo para o publico ter o que ver já que a jogadora Ucraniana se recusou a jogar, e imagino que foi no ultimo minuto, do contrario teriam trazido outra tenista em tempo. Agora no resto do comentario eu concordo, ela ainda é uma tenista de 16 anos em formação, jogar contra um profissional adulto, é ainda pior que se fosse um Jr.

Guilherme Corrêa
Guilherme Corrêa
7 meses atrás

Deu jogo. Ponto.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
7 meses atrás

Acho que não seria difícil de prever que a Marta Kostyuk poderia se recusar a jogar contra a Mirra Andreeva com base no comportamento que ela, Kostyuk, vem tendo quando joga contra russas e bielorrussas desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro/2022. A recusa da ucraniana era mais ou menos previsível. Continuo com a opinião de que foi machismo dos organizadores sim, poderiam ter escalado alguma menina. Mas, com certeza, isso não é motivo pra ficar fazendo polêmica. Acabou dando um bom jogo mas o resultado foi bem previsível.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE