PLACAR

Medvedev: “Não me sinto tão confiante como em NY”

Foto: Tennis Australia

Melbourne (Austrália) – Vice-campeão do Australian Open nas temporadas 2021 e 2022, Daniil Medvedev segue em busca de um título inédito no primeiro Grand Slam do calendário. No entanto, após a vitória na estreia contra o francês Terence Atmane, que se retirou no início do quarto set, o russo de 27 anos admitiu que não se sente tão confiante em Melbourne quanto em Nova York, onde conquistou o único título de Slam da carreira.

“Não sei qual o motivo específico, mas não me sinto tão bem neste evento como em outros torneios de quadra dura, como o US Open. É verdade que joguei duas finais e cheguei perto do título aqui, mas não sei. Talvez o fato de ser no início da temporada faça com que não chegue com tanta confiança e ritmo. O US Open é onde chego ao meu melhor nível porque ainda não estou cansado, mas já tenho muito ritmo de competição”, admitiu Medvedev, que enfrenta na próxima rodada o finlandês Emil Ruusuvori, atual 53º colocado do ranking.

O número 3 do mundo também comparou o apoio que recebe da torcida em cada um dos Grand Slam e novamente tendeu a preferir o torneio nova-iorquino. “Acho que tive meus piores e melhores momentos com todas as torcidas em todos os Slam. Portanto, eu não escolheria um para o pior e nem outro para o melhor. Acho que meu relacionamento com o US Open é incrível, mas não gostaria de menosprezar nenhum outro”, enfatizou.

Por fim, o russo falou sobre o clima em Melbourne e as dificuldades na partida contra Atmane, tendo que reagir após perder o primeiro set para o francês. “Não foi o dia mais quente que já vivi na Austrália, mas na última semana não tivemos temperaturas muito altas, então o corpo notou a mudança. A verdade é que estou feliz por ter conseguido vencer de uma forma ou de outra. Tentei não mostrar minhas fraquezas e me manter mentalmente forte. Normalmente consigo não demonstrar frustração e tenho certeza de que isso é fundamental para superar momentos difíceis”, disse.

“Fisicamente, com o calor, foi difícil. Não tenho certeza se seria diferente se eu tivesse disputado um torneio de aquecimento, mas fisicamente foi difícil. Em termos de tênis me senti bem. Estou feliz por vencer. Se eu perdesse, não sei o que diria, mas ganhei, então vamos ver o que acontece a seguir”, completou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE