PLACAR

Medvedev diz que nunca viu um ATP 500 tão forte

Foto: China Open

Pequim (China) – O russo Daniil Medvedev está animado para a disputa do ATP 500 de Pequim, que começa na quinta-feira, mas sabe que não terá vida fácil na competição, que conta com oito top 10, entre eles o espanhol Carlos Alcaraz, que lidera o outro lado da chave e com que só poderá cruzar em uma eventual decisão.

“Acho que se nos enfrentarmos esta semana ficamos os dois felizes, pois estaríamos na final. Há muitos grandes jogadores na chave, é como se fosse o sorteio de um Masters 1000 ou de um Grand Slam. De certa forma, é ainda mais forte que um Grand Slam, porque não há uma primeira rodada tão dura. Vai ser muito interessante, acho muito raro ver um ATP 500 tão forte”, analisou.

Medvedev pondera que às vezes o final da temporada pode ser complicado por causa da motivação, mas que todos são competitivos e sempre tentam vencer. “A chave está super forte, então vai ser ótimo para quem vencer. A motivação é tentar fazer tudo isso, continuar provando para si mesmo que você pode vencer esses grandes torneios, grandes títulos, contra grandes adversários”, observou o russo.

“Cheguei há dois dias, está tudo bem até agora. Adoro estar de volta à China, então não há muito mais a acrescentar, estou ansioso para o início do torneio. É a minha primeira vez em Pequim, até agora estou gostando muito da minha estadia aqui, embora, como sempre durante um torneio, nunca haja muito tempo para visitar a cidade”, comentou Medvedev.

“Eu adoraria ir à Grande Muralha se tivesse tempo. A questão é que quanto melhor eu jogo, menos tempo tenho, então espero não ter esse tempo. Se não jogar bem, pelo menos posso visitar Pequim”, acrescentou o russo, que vai estrear na competição contra o norte-americano Tommy Paul.

Questionado sobre as condições da quadra, ele elogiou não apenas a questão estética como a velocidade do piso. “Parece muito boa, treinei ontem e hoje também. É muito bonita, a velocidade acho que é bem rápida, então gosto. Normalmente, na Ásia as quadras são bem rápidas, gosto disso. A única coisa é a questão das bolas, que ficam muito grandes, o que não é bom para o cotovelo”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE