PLACAR

Krejcikova derruba Collins e consolida recuperação na grama

Foto: Jimmie48/WTA

Londres (Inglaterra) – A temporada de grama está sendo fundamental para que Barbora Krejcikova possa se recuperar de um primeiro semestre abaixo de suas expectativas. A ex-número 2 do mundo e atual 32ª do ranking garantiu o melhor resultado da carreira em Wimbledon ao chegar às quartas de final. A tcheca superou nesta segunda-feira a norte-americana Danielle Collins, 11ª colocada, por 7/5 e 6/3 em 1h42 de partida.

Krejcikova faz sua quarta participação na chave de simples em Wimbledon e nunca havia passado da terceira rodada. A tcheca foi campeã de Roland Garros em 2021 e chegou duas vezes às quartas na Austrália e uma no US Open. Mas nas duplas, já venceu todos os Slam ao lado de Katerina Siniakova.

Agora com 18 vitórias e cinco derrotas na temporada, Krejcikova chegou a ficar quatro meses sem vencer, entre o WTA 500 de Abu Dhabi em fevereiro e o início da temporada de grama no mês de junho, em Birmingham. Desde então, a tcheca não jogou em Indian Wells e Miami por lesão nas costas e perdeu nas estreias de Stuttgart, Madri, Estrasburgo e Roland Garros.

A adversária de Krejcikova na próxima rodada será a letã Jelena Ostapenko, 14ª do ranking, que chega pela terceira vez às quartas em Wimbledon e tenta alcançar sua segunda semifinal no torneio. Ostapenko lidera o histórico de confrontos contra a tcheca por 5 a 2, com direito a uma vitória na grama, na final de Birmingham no ano passado.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Estou pela primeira vez nas quartas, quero apenas aproveitar a vitória que tive hoje. Vamos comemorar um pouco hoje, com um bom jantar. E depois vou me preparar da melhor maneira possível e espero poder dar mais um passo no torneio”, falou a jogadora de 28 anos, durante a entrevista em quadra.

Eliminada nas oitavas, Collins fez a última participação da carreira em Wimbledon e alcançou as oitavas pela primeira vez. A norte-americana de 30 anos vive sua temporada de despedida do circuito e conquistou dois títulos importantes, o WTA 1000 de Miami e o 500 de Charleston, além de também ter sido finalista de outro 500 em Estrasburgo. Ela foi a algoz da brasileira Beatriz Haddad Maia no último sábado pela terceira rodada.

Pressão constante sobre o saque de Collins fez a diferença

Diante do contraste de estilos entre o jogo mais agressivo de Collins e algumas variações buscadas por Krejcikova, a tcheca contou também com ótimo desempenho no saque durante o primeiro set. Ela não enfrentou break-points e cedeu apenas nove pontos em seus games de serviço, além de ter colocado pressão constante sobre o saque de Collins. E depois de dez oportunidades de quebra, aproveitou uma dessas chances já no fim da parcial.

Durante o segundo set, Collins chegou a pedir atendimento médico nos vestiários para tratar de um desconforto na coxa. E a norte-americana seguia com muita dificuldade de manter os games de saque. Depois de salvar dois break-points no início da parcial, ela permitiu duas quebras à tcheca que abriu 5/1 no placar. Krejcikova foi quebrada na primeira vez em que sacou para o jogo, mas tinha vantagem segura para definir a partida logo depois.

Subscribe
Notificar
guest
5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Roberto
Roberto
4 dias atrás

Que jogadora,da gosto ver como ela distribui as bolas, alterna velocidade e angulo, saca e devolve, a Bia não teria chances contra ela, a Colins ficou toda perdida.

Flávio
Flávio
2 dias atrás
Responder para  Roberto

Sim, a Mrejikova tem qualidade técnica é adepta da escola tcheca, ultimamente a número-1 tem apenas 5% de técnica.

André
André
4 dias atrás

Mais uma americana arrogante indo para o ralo.

F.F.
F.F.
4 dias atrás
Responder para  André

Preconceito contra americanos?
Que comentário sem o mínimo sentido

Blumenau
Blumenau
3 dias atrás

A Bia já é freguesa de caderninho da tcheca. Era uma oportunidade de vence-la pela primeira vez, já que ela também não está lá grandes coisas, e apesar da Bia estar no seu pior momento da carreira. Mas jogo se ganha na quadra, era ver pra crer. Outras oportunidades virão.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wimbledon seleciona os melhores backhands de 1 mão

Os históricos duelos entre Serena e Venus em Wimbledon

PUBLICIDADE