PLACAR

Ivanisevic diz que Djokovic sempre busca algo mais

Foto: Darren Carroll/USTA

Nova York (EUA) – Os recordes, as marcas e todos os números alcançados por Novak Djokovic não são obra do acaso e sim graças a uma obstinação do sérvio por isso. Não é apenas ele que fala sobre isso, mas também o treinador Goran Ivanisevic, que após a conquista do quarto título do US Open e o 24º Grand Slam da carreira, igualando o recorde da australiana Margaret Court, mais uma vez destacou a mentalidade do pupilo.

“Não brincamos com os números, ele leva os números muito a sério. Sempre há algo mais que possa alcançar. Sei que não é fácil se motivar para os torneios menores: os Grand Slams e os Jogos Olímpicos são os mais importantes Porém, para jogar bem nos torneios maiores, é preciso estar motivado nos menores, ser competitivo e pronto para os grandes objetivos. Ele conseguiu isso em Cincinnati”, disse Ivanisevic.

“Chegamos em Cincinnati e o que aconteceu em Wimbledon não foi mencionado nem uma vez, fazia parte do passado, não tinha como recuperar. Naquele dia, Carlos foi o melhor jogador e venceu, é muito simples. Então fomos para Cincinnati para nos preparar para este torneio e ele venceu. Nole é o tipo de pessoa que esquece as coisas e vira a página, por isso é tão bom”, observou o treinador croata.

Para ele, a resiliência de Djokovic não é algo que possa ser trabalhado. “Você nasce com isso. Tem gente que nasce assim, os gênios, e ele é um desses. Não há muita gente como ele no mundo no nível esportivo, é um dos maiores vencedores da história do esporte e não estamos falando apenas de tênis, mas de esporte em geral. Novak é um vencedor natural. Quando duvida que ele possa alguma coisa, vai te mostrar que consegue”.

Ivanisevic garante que o sérvio é de uma espécie diferente e nunca está contente com o que já alcançou. “Eu ficaria surpreso se não fosse alguém próximo. Ele simplesmente adora desafios. Se ganhar o 25º vai pensar: ‘se ganhei 25, por que não 26?’ Sempre tem mais um, sempre tem mais alguma coisa. Ele cuida ao máximo do seu corpo, cuida de tudo, cada mínimo detalhe tem que ser perfeito. Ele nunca está feliz em quadra, não sei se isso é bom ou ruim, para nós não é bom (risos). Mas isso o motiva o tempo todo e por isso que tem resultados tão impressionantes”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE