PLACAR

Iga se emociona com despedida do ídolo Nadal

Foto: Internazionali BNL d'Italia

Roma (Itália) – Líder do ranking mundial e bicampeã do WTA 1000 de Roma, Iga Swiatek sempre deixou clara sua admiração por Rafael Nadal. E a polonesa de 22 anos reconhece que se emociona com o momento do ídolo, que está disputando seus últimos torneios no circuito profissional. Ela se lembrou da homenagem recebida por Nadal diante da família em Madri, há duas semanas, e também feliz fica pelo espanhol poder fazer essa breve turnê de despedida para que os fãs possam curtir seus últimos lances em quadra e parabenizá-lo por tudo o que fez pelo tênis.

“São emoções confusas porque ainda sou muito jovem. Então é difícil entender qual é a situação exata dele nesses últimos torneios. Mas assisti à cerimônia em Madri e chorei, obviamente. Mas ele parece feliz e isso é o mais importante”, disse Swiatek em entrevista ao Tennis Channel no último sábado.

“Acho que ele está lidando com esse momento de uma forma muito inteligente. É um bom exemplo de um atleta que está satisfeito com o que conquistou e que está bem em começar outro capítulo em sua vida. E obviamente é normal que todo mundo faça muito barulho em torno disso, mas a vida é dele e ele está fazendo tudo do jeito que quer, nos seus termos. Acho isso ótimo”.

Vitória sobre Kerber e vaga nas quartas

Já na coletiva de imprensa após a vitória sobre a alemã Angelique Kerber por 7/5 e 6/3 nesta segunda-feira, Swiatek destacou o aspecto mental do jogo. Especialmente por ter mantido o foco, mesmo depois de várias chances perdidas. Ela precisou de oito set-points para vencer a primeira parcial, e começou o segundo set com uma quebra atrás, antes de buscar a reação. “Não foi um jogo fácil. Fico feliz porque momentos importantes, no final dos dois sets, estava pronta para quebrar. Aumentei um pouco o foco. No final foi isso que fez a diferença”, avaliou a polonesa.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Estou tentando estar 100% focada do começo ao fim. Às vezes não é fácil com tanta coisa acontecendo em quadra. Mas meu objetivo é permanecer constante durante as partidas. Vou trabalhar muito para organizar meus pensamentos, então tudo será mais natural mais tarde”, acrescentou. “Não é fácil se ajustar aos golpes dela, principalmente esse spin de canhota. Angie está usando muito isso e você apenas tem que trabalhar para enfrentá-la da melhor maneira possível. Foi nisso que me concentrei. No final do segundo set, senti que estava errando menos, então foi melhor”.

Duelo com Keys e jogos em dias seguidos

Swiatek enfrentará nas quartas de final a norte-americana Madison Keys, 16ª do ranking, às 8h (de Brasília) desta terça. Ela lidera o histórico de confrontos por 3 a 1, com direito a uma vitória na semifinal de Madri. “O placar foi bastante unilateral em Madri, mas jogar contra a Keys não é fácil. O mais importante é manter o foco e a disciplina. É isso que farei nos próximos dias”.

Campeã na capital espanhola há nove dias, Swiatek estreou em Roma na quinta-feira e ainda atuou no sábado e nesta segunda. E pela primeira vez no torneio, jogará em dias consecutivos. “Fisicamente me sinto bem. Tive alguns dias de folga depois de Madri e foi o suficiente para eu me recompor. Não vejo nenhum problema agora. Acho que veremos depois de amanhã porque serão duas partidas seguidas”.

35 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
João Sawao ando
João Sawao ando
14 dias atrás

Iga ganha

YAN
YAN
14 dias atrás

Iga Swiatek se mostrando, além de uma excelente jogadora, muito humilde, e que sabe reconhecer as lendas do tênis, gesto muito nobre esse da polonesa em reconhecer que o Nadal é o segundo melhor jogador de tênis da história, atrás apenas do Federer. E pra quem quer saber minha opinião, Sampras é o terceiro, Agassi o quarto, e Rod Laver o quinto.

Gustavo
Gustavo
14 dias atrás
Responder para  YAN

Monteiro o sexto

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
14 dias atrás
Responder para  YAN

Vamos ver:

Um tenista com 24 slam, 7 atp finals e 40 masters 1000; outro com 22 slam, 36 masters 1000 e 1 ouro olímpico; um terceiro com 20 slam; 6 atp finals e 28 masters 1000. Quem é o goat dos três?

Abel S
Abel S
14 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Djokovic é o maior Tenista de todos os tempos, o melhor COMPETIDOR que este esporte já viu. Já O MELHOR Tenista que eu vi jogar foi Roger Federer.

YAN
YAN
14 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

O Goat do tênis masculino, é, e sempre continuará sendo, um suiço chamado Roger Federer. Quem não concorda com essa afirmação não entende absolutamente nada da técnica e classe que envolvem o jogo de tênis.

Eduardo
Eduardo
14 dias atrás
Responder para  YAN

Federer e Nadal mudaram a história do tenis, Djoko sempre foi e é somente um coadjuvante, pode ganhar mais 10 slams. Não é a qtde de títulos que faz o maior da história. Schumacher não faz nem sombra a Senna e tem o dobro de títulos.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás
Responder para  Eduardo

Sim, é a quantidade de Big Titles e semanas e temporadas #1 que fazem o maior da história.

Senna não é nada perto de Schumacher e Hamilton. Em qualquer esporte, são os recordes que importam.

João Sawao ando
João Sawao ando
14 dias atrás
Responder para  YAN

Concordo com você Nadal.so acho que o segundo é rod laver

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás
Responder para  YAN

Djokovic é mais técnico do que Federer, apenas mais plástico e firulento. Classe não ganha jogos e títulos, não constrói recordes, que é o que define GOAT.

Sampras, Agassi, Laver, McEnroe, Roddick, Wilander, Medvedev, Zverev, Alcaraz e seu grande amor Nadal (esse DUAS vezes) já disseram que Djokovic é o maior e melhor de todos os tempos. Não contrarie quem esteve em quadra e entende do assunto 1 milhão de vezes mais do que você.

Piter Oliveira
Piter Oliveira
14 dias atrás
Responder para  YAN

Que comentário mais sem sentido. rsrs

Eduardo
Eduardo
14 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Djokovic conquistou estes numeros nos ultimos anos, com declínio de Nadal fisicamente e o envelhecimento do Federer. Olhe os números deles até os 30 anos. Djoko é 10 meses mais novo e tinha muito menos aos 30. Fato.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás
Responder para  Eduardo

Errado: Djokovic surra o Fedal desde 2011 e vem construindo seus números desde 2007. Federer reinou na entressafra apenas.

Flávio
Flávio
14 dias atrás
Responder para  YAN

Yan desculpa boa jogadora ela năo é năo porque é muito limitada, pois seu jogo é modorrento e de pouca técnica, mas está no topo,até com mérito, porque a maioria de suas adversárias năo conseguem competir físicamente com ela e tem uma sorte com sorteio viu, pois Svitolina, Ostapenko ou Ribakina nunca cai no seu sorteio.

YAN
YAN
14 dias atrás
Responder para  Flávio

Flávio, desculpa a pergunta, mas na sua opinião de profundo entendedor da tecnica do tênis feminino, quem tem boa tecnica no tênis feminino atualmente ? E quem foi a melhor jogadora que você viu jogar, a que tinha a tecnica mais apurada ?

Ricardo
Ricardo
14 dias atrás
Responder para  YAN

Yan no atual tênis feminino vejo a Muchova, Marketa, Kenin, Jabeur,Kenin, Townsend, e a francesa Parry (usa o genial backrand de uma mão) usando bem a qualidade técnica com dropshot, slice, lob, smash, voleio porém são inconstantes fisicamente, agora Ribakina e Sabalenka vem evoluindo bem a parte técnica, aliás, falando da Sabalenka, que foi guerreira hoje, eu nunca vi ela usando em abundância qualidade técnica como foi hoje, ou seja, foi fantástico isso mostra que ela vem evoluindo a sua técnica para se tornar uma jogador completa, logo ela e Svitolina estão de parabéns porque fizeram um grande jogo com ótima técnica e muita luta que a meu ver deve ter valido o ingresso e nenhuma delas merecia perder, e olhe que não sou fã do tênis feminino,mas eu tenho que ser honesto porque nas últimas semanas vi bons jogos como a batalha dessas duas de hoje e as semi e final do Master de Madrid

Flávio
Flávio
13 dias atrás
Responder para  Ricardo

Concordo Ricardo.

Flávio
Flávio
13 dias atrás
Responder para  YAN

Yan acho a Jabeur, Muchova e outras tem boa técnica e vejo a Ribakina e Sabalenka evoluindo tecnicamente.

YAN
YAN
13 dias atrás
Responder para  Flávio

Também gosto da Rybakina, mas acho que ela podia ter mais regularidade nas participações em fases agudas dos torneios, mas realmente, sua tecnica é muito mesmo.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
14 dias atrás
Responder para  YAN

Acredito que se você for explicar que critérios considerou para chegar nessas opiniões aí terá dificuldades. Falar e escrever de modo desafiador é fácil. Com certeza, os critérios que você considerou não foram os mais importantes. Com certeza não foram a quantidade de torneios importantes ganhos (grand slams, Master 1000, ATP Finals) e também não foi n° de semanas na liderança do ranking. Mas, gosto é gosto e cada um tem o direito de ter a sua própria opinião.

YAN
YAN
14 dias atrás

Como respondi pro amigo abaixo, falo o mesmo pra você, essa é uma lista pessoal e nao tem obrigação nenhuma com a realidade, nao pensei em numeros de titulos ou eficiência, é quase uma preferência pessoal misturada com um pouco de lembranças de jogos históricos que eu tenha visto.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
14 dias atrás
Responder para  YAN

Ok. Os seus critérios são subjetivos e está tudo bem. Vamos seguir o ditado de que “gosto não se discute”. Critérios subjetivos se perdem e não se sustentam com o passar do tempo. Por outro lado, os critérios objetivos que são os resultados, esses ficam pra história e vão ser lembrados daqui 10, 20,50, 100 anos.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás

Perfeito, Carlos.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás
Responder para  YAN

Exatamente, é totalmente fora da realidade, baseada em coisa alguma além do seu ódio pelo rei de todos os esportes, que lhe causou tanto sofrimento.

Lee
Lee
14 dias atrás
Responder para  YAN

Faltou na lista um certo tenista que tem 7 atp finals 7 Winblendon 10 Australia open …. mais de 500 semanas como número 1 será que alguém conhece ?

YAN
YAN
14 dias atrás
Responder para  Lee

Amigo, essa é a minha lista, portanto eu incluo ou deixo de incluir quem eu quiser. Quando voce fizer a sua lista, faça do jeito que achar melhor, cada um com seus achismos. Abraço.

André Aguiar
André Aguiar
14 dias atrás
Responder para  YAN

Yan, você viu o Laver jogar? Se não viu, qual foi o critério usado para considerá-lo o quinto melhor da história? Número de Slams?

YAN
YAN
14 dias atrás
Responder para  André Aguiar

André, infelizmente nao tive a oportunidade de ver esse gênio do tênis chamado Rod Laver jogar, gostaria muito de ter pego essa época dourada do tênis, mas nasci na década de 80, então nao tive essa chance. Coloquei ele na minha lista pela sua importância histórica no tênis e por ter sido o último a ganhar os 4 slams no ano, um feito de extrema dificuldade, basta ver o tempo que perdura essa façanha incrível. Abraço.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás
Responder para  YAN

Ganhar o Calendar Slam é um critério numérico, ou seja, aqui convenientemente os números importam. Djokovic ganhou 4 Slams seguidos e obteve a maior pontuação da história da ATP (16950 pontos).

Época dourada do tênis foi a do Big 4, com o sérvio sendo disparado o maior vencedor.

Luiz Fernandes
Luiz Fernandes
14 dias atrás
Responder para  YAN

Também não gosto do cotonete, não considerar ele no mínimo em terceiro aí não reflete a realidade.

YAN
YAN
14 dias atrás
Responder para  Luiz Fernandes

Pode nao refletir a sua realidade amigo, que pertence única e exclusivamente a você, ainda bem. Mas na minha realidade, que pertence apenas à mim e mais ninguém, reflete sim, tenho certeza total do que estou falando. Abraço.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
14 dias atrás
Responder para  YAN

Ela não reconheceu que Nadal é o segundo melhor da história e tampouco falou sobre quem é o GOAT, caro Yanzinho. Apenas se emocionou com a despedida do ídolo.

Ainda bem que sua opinião de hater sofredor não é levada a sério por ninguém que entende de tênis.

YAN
YAN
14 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Paulinho, voce me faria um grande favor se nao respondesse meus comentarios, nao tenho nenhuma vontade de interagir com voce, favor nao me dirigir mais a palavra. Bom dia.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
14 dias atrás

Eu acho tão importante e respeito tanto os resultados que quando eu vejo o Rod Laver assistindo algum jogo de tênis em qualquer estádio do mundo, é como se eu estivesse olhando para um ser extraterrestre pelo fato de eu achar tão grande os feitos que ele conseguiu de ter conquistado os quatro grand slam na mesma temporada por duas vezes (1962 e 1969) e nenhum tenista até agora conseguiu repetir esse feito. Me parece que em 1962 o tênis ainda vivia a fase amadora e em 1969 foi o primeiro ano da fase profissional do tênis. Inclusive, parece que o Rod Laver foi impedido de jogar os grand slams de 1963 a 1968 exatamente porque ele era um tenista profissional e o circuito de tênis vivia uma fase amadora. Por fim, acho que três grand slams eram disputados sobre o piso de grama (Wimbledon, US Open e Australia Open) e Roland Garros no saibro. O Portal Tênisbrasil Uol fique à vontade para me corrigir se eu estiver escrito alguma besteira.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
13 dias atrás

É isso mesmo, Carlos. No entanto, Laver ficou com “apenas” 11 Slams. O top 6 de jogadores históricos quando se leva em conta critérios objetivos é o seguinte:

1 – Djokovic
2 – Nadal
3 – Federer
4 – Sampras
5 – Laver
6 – Borg

Você pode trocar Nadal com Federer e Laver com Borg de posição que também é válido, mas o resto não.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE