PLACAR

Henry Searle encerra longo jejum britânico no juvenil de Wimbledon

O canhoto de 17 anos Henry Searle é o primeiro britânico campeão juvenil de Wimbledon desde 1962 (Foto: ITF)

Com um ótimo ambiente na Quadra Nº 1 do All England Club, que ficou lotada na manhã deste domingo, o torneio juvenil de Wimbledon voltou a ter um campeão da casa após mais de seis décadas. O canhoto de 17 anos Henry Searle, atual 27º do ranking mundial da categoria, conquistou o título depois de vencer o russo Yaroslav Demin por duplo 6/4 em 1h24 de partida.

Searle é o sétimo juvenil britânico a conquistar Wimbledon e o primeiro desde Stanley Matthews, na temporada 1962. Ao todo, 12 tenistas da casa chegaram à final do torneio, mas só quatro nos últimos 50 anos. Os casos mais recentes foram de Miles Kasiri em 2004, Liam Broady em 2011 e do canhoto Jack Draper em 2018.

“É uma sensação incrível. Vou aproveitar o momento nos próximos dias e semanas e para depois tentar ganhar mais alguns títulos”, disse Searle após a final deste domingo. “Obviamente, estava um pouco nervoso antes da partida, o que era de se esperar quando se joga em uma quadra de tanto prestígio e em um torneio tão grande. Mas depois do aquecimento, tentei me concentrar na partida e no que tinha que fazer. A torcida [chamda de Barmy Army] foi excepcional desde o início da semana até o final. Espero que continuem assim nos próximos anos”.

Em seis jogos na semana, Searle não perdeu sets. Ele foi o algoz do brasileiro João Fonseca, número 8 do ranking, nas quartas e também eliminou na estreia o boliviano Juan Carlos Prado Angelo, principal cabeça de chave e finalista de Roland Garros. O britânico também venceu o indiano Manas Dhamne, o francês Arthur Gea e o norte-americano Cooper Williams.

Com ótimo saque e 1,93m de altura, Searle disparou nove aces e não sofreu quebras de serviço na final deste domingo. Ele escapou de três break-points no oitavo game da partida e conseguiu uma quebra logo na sequência para fechar o set inicial. O britânico aproveitou o bom momento e já saiu vencendo por 2/0 no segundo set. Depois disso, ele não teve o serviço ameaçado até o fim do set. Esta foi a terceira vitória de Searle sobre Demin na temporada, repetindo os resultados conquistados em Roland Garros, no saibro, e Roehampton, na grama.

“O saque é uma parte crucial e crucial do meu jogo. Ele me ajudou a ganhar muitas partidas nesta semana e é algo em que tenho trabalhado muito nos últimos anos com minha equipe técnica. Os resultados estão começando a aparecer”, afirmou o campeão.

 

O título de Wimbledon rende 1000 pontos no ranking mundial juvenil, que considera os seis melhores resultados do ano e mais 25% das seis melhores pontuações nas duplas. Searle tem apenas 100 pontos a descartar, e com isso deve se firmar entre os cinco melhores do ranking. Ele tem dois pontos no ranking profissional da ATP, ocupando o 1.583º lugar.

Vice-campeão em Wimbledon, Yaroslav Demin é o atual sétimo colocado no ranking mundial juvenil e foi campeão do Banana Bowl em março, jogando no Brasil. Assim como acontece no circuito profissional, os juvenis nascidos na Rússia ou Belarus estão jogando em Wimbledon sob bandeiras neutras. Demin ocupa o 1.278º lugar na ATP, com cinco pontos.

Título britânico também nos 14 anos
O título da categoria 14 anos também ficou com um juvenil britânico, Mark Ceban, que derrotou na final o esloveno Svit Suljic por 7/6 (7-5) e 6/3. No último sábado, Ceban havia eliminado o representante brasileiro no torneio, o goiano Luis Augusto Miguel, que fez grande campanha até a semifinal, marcando 6/4 e 6/2. O britânico venceu os cinco jogos que fez na semana.

Já o título de duplas ficou com o tcheco Jakub Filip e o italiano Gabriele Vulpitta. Eles venceram na final o sérvio Branko Djuric e o francês Arthur Gea por duplo 6/3.

Jornalista de TenisBrasil e frequentador dee Challengers e Futures. Já trabalhou para CBT, Revista Tênis e redações do Terra Magazine e Gazeta Esportiva. Neste blog, fala sobre o circuito juvenil e promessas do tênis nacional e internacional.
Jornalista de TenisBrasil e frequentador dee Challengers e Futures. Já trabalhou para CBT, Revista Tênis e redações do Terra Magazine e Gazeta Esportiva. Neste blog, fala sobre o circuito juvenil e promessas do tênis nacional e internacional.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals