PLACAR

“Estive tão perto de vencer”, lamenta Muchova

Foto: Corinne Dubreuil/FFT

Paris (França) – A tcheca Karolina Muchova já foi top 20 do ranking, mas não deixou de ser uma surpresa na fase final de Roland Garros. Derrubou a número 2 do mundo Aryna Sabalenka numa grande semifinal e esteve em vantagem no terceiro set da decisão contra a bicampeã Iga Swiatek. O título escapou e Muchova não escondeu a decepção.

“Neste momento o sabor é amargo, porque sinto que o jogo foi muito igual, mas no geral o fato de ter feito uma final de Grand Slam é um lucro incrível e uma grande motivação para trabalhar para o futuro, de tentar novas oportunidades de lutar por grandes títulos. Deixei tudo em quadra, então não há o que lamentar”, afirmou na coletiva. Pouco antes, ao receber a bandeja de Chris Evert, soltou lágrimas.

Muchova lamentou a chance ter escapado, já que sacou com 4/3 no terceiro set. “Também é uma motivação saber que Iga é a número 1 do mundo e eu estive tão perto de vencer. Acredito que poderia ter feito isso. Claro que há muito trabalho a fazer, nada é imediato, mas estou disposta a fazer de tudo nos demais Slam deste ano e os da próxima temporada também”.

Questionada sobre como viveu dois momentos tão distintos na partida, Muchova analisou: “Por um set e meio estava um tanto lenta e Iga geralmente começa bem as partidas. Quando está embalada, é muito difícil brecar. Então tentei mudar o ritmo e, com a quebra que enfim conseguiu no segundo set, ganhei sobrevida. Joguei mais agressiva e funcionou. Pude ver que ela ficou tensa e cometeu erros. Senti que no terceiro nós duas tivemos opções, que não havia tanta diferença, mas não aproveitei tão bem quanto ela. Foi muito apertado”.

Apesar de ter feito sua primeira final de Grand Slam – tem somente um título de nível 250 na carreira -, Muchova não colocou culpa no nervosismo. “Não me senti tensa, estava tentando me manter concentrada. Sabia que jogava por algo grande, mas não deixei que esse pensamento tomasse conta. Tentei jogar como qualquer outro dia, como se fora a primeira rodada. Sabia que era uma final, mas nunca me senti realmente nervosa”.

Ela acredita que a experiência será importante para a sequência da carreira. “Sempre acredito em mim num Slam, mas nunca tinha acontecido de ir tão longe. Foi muito bom para a confiança. Significa que sou capaz de obter grandes resultados, me motiva muito”. Por isso, Muchova já está ansiosa pela fase de grama. “Não esperava ir tão bem no saibro, a grama na verdade é meu piso favorito. Preciso descansar uns dias e então me preparar, porque saibro e grama são muito diferentes. Quem sabe, jogue um preparativo antes de Wimbledon”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Alcaraz e Murray: treino entre campeões em Queen's

Os melhores lances da campeã Boulter na grama de Nottingham

PUBLICIDADE