PLACAR

Djokovic: “Seria bom ter mais um jogo entre Rafa e eu”

Foto: Corinne Dubreuil / FFT

Turim (Itália) – Rivalidade com o maior número de confrontos desde a Era Aberta com 59 partidas, o confronto entre Novak Djokovic e Rafael Nadal deveria poder comemorar seu 60º encontro. Pelo menos é o que espera o sérvio, que gostaria de enfrentar o rival espanhol pelo menos uma vez mais antes que os dois encerrem suas carreiras.

“Acho que seria bom para o esporte ter pelo menos mais uma partida entre Nadal e eu. Essa é a maior rivalidade em número de partidas disputadas que o tênis já teve. Esperamos que isso aconteça”, afirmou o atual número 1 do mundo no ATP Finals de Turim, onde se classificou para as semifinais depois da vitória do italiano Jannik Sinner sobre o dinamarquês Holger Rune.

Djokovic fez questão de enaltecer a luta de Nadal para voltar a competir na próxima temporada, que deve ser a última do espanhol no circuito. “Ele é um grande guerreiro, alguém que nunca desiste. Com todas as lesões que teve, ele continua. Isso é definitivamente algo que você deve respeitar e admirar nele e em seu espírito”, disse o sérvio.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Os dois não se enfrentam desde as quartas de final de Roland Garros em 2022. Djokovic tem leve vantagem no retrospecto, com 30 vitórias e 29 derrotas. No total, foram 27 duelos em quadras duras, 28 no saibro, quatro na grama e 29 em finais.

Ainda na luta pelo sétimo título do Finals, podendo se isolar como o maior recordista da competição, o sérvio ainda tem mais um objetivo pela frente neste final de ano: quer ajudar a equipe de seu país a vencer a Copa Davis pela segunda vez.

“Eu realmente gostaria de vencer com a Sérvia. Esse é o objetivo. A próxima é uma semana importante para nós, para a nossa nação. Faremos todo o possível. É aí que estão os meus pensamentos e só depois disso é que pensarei na próxima temporada”, comentou o líder do ranking e dono de 24 títulos de Grand Slam

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE