PLACAR

Djokovic espera que Fokina esteja bem para US Open

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Cincinnati (EUA) – De volta aos Estados Unidos depois de dois anos sem competir lá por causa da vacina contra Covid-19, Novak Djokovic ficou apenas 46 minutos em quadra em sua estreia na chave de simples no Masters 1000 de Cincinnati, contando com a desistência do espanhol Alejandro Davidovich Fokina, 23º do ranking, logo após o sérvio vencer o primeiro set por 6/4.

“É uma noite de emoções conflitantes, gosto muito do Alejandro, nos damos muito bem fora de quadra. Ele teve uma excelente semana no Canadá e chegou à semi. Disputou muitas partidas e me que tinha um problema na parte inferior das costas que surgiu ontem. Acho que o número de jogos que disputou nos últimos 10 dias afetou seu corpo, é uma pena”, lamentou Djokovic.

“Realmente espero que ele se recupere e jogue bem em Nova York. Tanto quanto eu estou preocupado, obviamente, jogar um set é melhor do que não jogar, eu acho. Então, tenho outra chance amanhã, depois de tirar a ferrugem esta noite, sinto que posso jogar melhor. À medida que o torneio avança, vou melhorar o meu jogo”, acrescentou o sérvio.

Djokovic disse que é difícil analisar sua estreia porque foi um jogo curto. “Não houve muitas trocas desde a linha de base, acabou tudo muito rápido. O que me surpreendeu é como está rápido, a bola quica muito aqui. Não foi assim nos dias de treino, então é bem difícil controlar a bola, pelo menos na quadra central. Não sei como vai ser nas outras, mas à medida que o torneio avança, o jogador sente-se mais confortável”, comentou.

Questionado sobre as reclamações sobre o horário do fim das rodadas noturnas, ele adotou tom conciliador. “Terminei alguns jogos muito tarde, é algo que não acontece com regularidade, só de vez em quando. Acho que mais torneios estão introduzindo a rodada noturna procurando aumentar a receita, no começo da minha carreira não tinha tanto. Pode não ser o melhor para os jogadores, mas também tem de satisfazer os fãs. As sessões noturnas são sempre mais divertidas, mas entendo que se você tem muitos jogos seguidos à noite, no final das contas não é bom”.

O sérvio também comentou seu retorno a Cincinnati, onde não jogava desde 2019. “O torneio de 2020 foi disputado em Nova York, com a bolha. São quatro anos e parece que foi ontem, então é bom estar de volta. Tenho ótimas lembranças desse torneio, vencê-lo em 2018 foi um ponto alto para mim porque era o único Masters 1000 que não havia vencido, tinha cinco finais e a maioria perdi para Roger (Federer)”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE