PLACAR

Djokovic chega confiante e ansioso para a decisão

Foto: Western & Southern Open

Cincinnati (EUA) – Se de um lado o espanhol Carlos Alcaraz teve que superar partidas de três sets em todas as rodadas que disputou para chegar à final do Masters 1000 de Cincinnati, que acontece neste domingo às 17h30 (horário de Brasília), do outro o sérvio Novak Djokovic bateu todos seus adversários em sets diretos, entre eles a semi contra o alemão Alexander Zverev, chegando confiante para a decisão.

“Espero sempre jogar em alto nível, porque sei a quantidade e a qualidade do trabalho que faço todos os dias, dentro e fora de quadra. Contra Sasha, soube encontrar os golpes certos na hora certa e, embora tenha ficado tenso para fechar a partida, pude quebrar o saque dele novamente e isso me deu muita confiança. Não perdi um set até agora no torneio, então estou muito satisfeito com o meu nível”, falou Djokovic.

O sérvio elogiou bastante Zverev após a partida e vê o germânico jogando em um grande nível, bem perto do seu melhor novamente. “Foram bem poucos os games de serviço dele que eu tive chances. Acho que joguei bem, principalmente no 5/5 depois que ele me quebrou para ficar na partida. Soube lidar com a situação, consegui quebrá-lo de novo e fechar a partida no 12º game do segundo set” analisou.

Sobre a final com Alcaraz, no primeiro duelo entre eles desde a decisão de Wimbledon, onde o espanhol levou a melhor, Djokovic se mostrou ansioso pelo reencontro. “É uma grande notícia para o nosso esporte que o número 1 e o número 2 do ranking se encontrem em uma final. Resta aproveitar porque acho que será uma grande partida”, afirmou o sérvio de 36 anos.

“Enfrentar Alcaraz é o maior desafio para mim agora. Vai ser nosso primeiro duelo em quadra dura e acho que será um grande teste para o US Open 2023. Ele é o melhor do mundo no momento, então é um ótimo desafio para mim e estou ansioso para entrar em quadra”, complementou Djokovic, que tem uma vitória e duas derrotas no retrospecto contra Alcaraz.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE