PLACAR

Djokovic afirma que Ivanisevic ajuda na motivação

Foto: Rolex Paris Masters

Paris (França) – Cabeça de chave número 1 no Masters 1000 de Paris, o sérvio Novak Djokovic segue em busca de novas marcas e recordes em sua reta final de carreira. Em entrevista ao Eurosport, o número 1 do mundo afirmou que a presença do croata Goran Ivanisevic em sua equipe é fundamental para ajudá-lo ainda mais na busca por soluções e motivação nos últimos anos.

“Goran e o resto da equipe tentam encontrar maneiras diferentes de me motivar. Eles não têm tido muito sucesso ultimamente, mas tentam”, brincou o sérvio. “Nós nos divertimos muito e somos grandes amigos. Temos uma relação profissional, mas amo muito Goran como pessoa. Ele foi um dos jogadores que observei quando era jovem”, disse Djokovic.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

“Viemos de países próximos, então falamos a mesma língua, isso facilita as coisas”, acrescentou o número 1 do mundo, que nesta terça-feira conheceu seu primeiro rival na competição. Ele vai estrear contra o argentino Tomas Etcheverry, que bateu o também sértio e parceiro de ‘Nole’ na chave de duplas Miomir Kecmanovic de virada, com 4/6, 7/6 (8-6) e 6/4.

Djokovic agradece a carreira que tem no tênis e se sente orgulhoso do que já fez, mas ainda persegue feitos maiores e por isso seu time é importante. “A verdade é que agora até preciso de uma motivação extra, nesta última fase da minha carreira, nos últimos cinco ou dez anos , comentou o dono de 24 títulos de Grand Slam.

“Minha vida evoluiu, tenho dois filhos, de 9 e 6 anos, e parte meu coração toda vez que os deixo. Tenho que administrar esse tipo de sentimento quando viajo. Então, quando faço isso, quero muito vencer, quero que a viagem valha a pena”, acrescentou o sérvio.

Ao ser questionado sobre a cor da jaqueta do Grand Slam 25, ele brincou com a situação. “Esses são bons problemas para se ter. Pode acontecer em janeiro e seria incrível. Aconteça o que acontecer, estou muito feliz com o Grand Slam 24”, afirmou o líder do ranking

“Sei que as pessoas, principalmente no meu país, já pensam em 25, até 30. Se fosse assim tão fácil, seria ótimo. Sinto-me como um gato com nove vidas e perco uma em cada Grand Slam É preciso investir muita energia não só fisicamente, mas também mentalmente para estar completamente imerso naquela competição, agora ainda mais do que antes”, encerrou Djokovic.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE