PLACAR

Cruel Djokovic

Acostumado a façanhas e recordes, Novak Djokovic tem agora a maior ‘freguesia’ de toda a Era Profissional do tênis masculino. Marcou a 19ª vitória sobre um desanimado Gael Monfils e desempatou a série negativa de 18 derrotas que Richard Gasquet tem diante de Rafael Nadal.

A bem da verdade, Monfils até conseguiu uma vitória sobre Nole, em nível ‘future’, quando ambos tinham 17 anos, mas tal categoria de torneio não é considerada na estatística da ATP. Há três anos, em Dubai, o francês viu sua maior chance, então na 16ª tentativa, ao desperdiçar três match-points.

Djokovic só encontrou resistência nos seis primeiros games. A partir de um game muito ruim de serviço do francês, emendou oito games seguidos e Monfils ao menos escapou de um inédito ‘pneu’ na longa lista de derrotas. Terminou o jogo com 26 erros de forehand, sinal evidente que tentou forçar além de sua capacidade.

Ainda sem ser testado em Cincinnati, o sérvio agora enfrenta o dono da casa Taylor Fritz, sobre quem tem 6 a 0 e só um duelo apertado no Australian Open de 2021. O 9º do ranking está no seu piso predileto, que já lhe rendeu dois títulos neste ano. Jogou apenas cinco games contra Dusan Lajovic para chegar a sua quarta presença em quartas de Masters neste ano.

No fim da tarde, muito por culpa do vento, Alcaraz e Tommy Paul não fizeram uma grande partida. Na verdade, os dois primeiros sets foram fracos, principalmente porque o norte-americano não conseguiu ser agressivo, como havia feito em Toronto na semana passada. Paul cedeu incríveis 23 break-points na partida e perdeu seis serviços, enquanto o cabeça 1 sacou melhor, fez até seis aces, mas ainda assim foi quebrado quatro vezes.

Com 42 winners e 19 erros no total, o espanhol driblou também a chuva, reapareceu o sorriso de forma mais constante e a lógica é que dê um salto na confiança. Vai pegar Max Purcell, 70ª do mundo com um jogo bem gostoso de se ver, com ataque constante. Atropelou Stan Wawrinka e havia batido Casper Ruud e Felix Aliassime no Canadá. Merece cuidado.

Boas novidades
Djokovic e Alcaraz são os únicos dos quatro principais cabeças que avançaram, já que Daniil Medvedev e Stefanos Tsitsipas foram barrados após as ótimas atuações de Alexander Zverev e Hubert Hurkacz.

Sascha havia perdido os quatro últimos confrontos, três deles neste ano, e vivia jejum de nove derrotas seguidas para top 10, desde a vitória sobre Alcaraz em Roland Garros do ano passado. Mas o campeão de 2021 se adaptou bem melhor à ventania e viu um russo muito passivo, a ponto de fechar os 32 games com meros 13 winners e 16 erros. O alemão pega o ‘freguês’ Adrian Mannarino, que só ganhou três sets em sete partidas, e se confirmar será de novo 12º do mundo.

Hurkacz se mostrou outra vez muito eficiente em sua proposta de jogo e apagou Tsitsipas, finalista do ano passado, para atingir as primeiras quartas de 1000 em pouco mais de um ano. O polonês é muito perigoso num piso veloz e tem favoritismo óbvio contra Alexei Popyrin. Êta australiano sortudo: entrou de lucky-loser no lugar de Karen Khachanov, enfrentou outro lucky-loser na estreia e aí viu Nicolas Jarry abandonar o torneio. Mas o 58º do mundo tem predicados. Saca bem, sabe volear e é firme lá de trás.

As favoritas e as tchecas
Assim como no masculino, somente as duas primeiras cabeças passaram às quartas. Enquanto Iga Swiatek oscilou e Aryna Sabalenka espancou a bola, Jessica Pegula se rendeu ao cansaço e Elena Rybakina abandonou sentindo o ombro.

Ons Jabeur e Coco Gauff tiveram vida fácil e há de se destacar a ‘armada’ tcheca, com Marketa Vondrousva, Marie Bouzkova e Karolina Muchova. A tunisiana faz talvez o grande jogo da sexta-feira contra Sabalenka, reedição da eletrizante semi de Wimbledon de meses atrás. Outro duelo de tops 10 é o de Swiatek contra Vondrousova, que parece bem aberto num piso mais veloz.

Algoz de Bia Haddad, a versátil Muchova tirou Maria Sakkari e reencontra Bouzkova, que fez ótimo primeiro set contra Pegula. Na rodada noturna, Gauff teve começo duro contra Linda Noskova, mais uma tcheca, mas depois atropelou e é favorita contra Jasmine Paolini, 43ª do ranking.

Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals