PLACAR

Brady volta à WTA após 2 anos e derruba top 30

Washington (EUA) – O retorno de Jennifer Brady aos torneios de elite do circuito foi com resultado positivo uma grande atuação nesta terça-feira. Atuando com ranking protegido no WTA 500 de Washington, a norte-americana venceu a ucraniana Anhelina Kalinina, 28ª do mundo, por 6/2 e 6/1 em apenas 1h08 de partida.

Ex-número 13 do mundo e finalista do Australian Open de 2021, Brady está com 28 anos e ficou quase duas temporadas sem jogar. Seu último WTA havia sido em agosto de 2021 em Cincinnati. Desde então, sofreu lesões no pé esquerdo e no joelho direito que a impediram de continuar no circuito. Ela voltou a jogar há duas semanas, em um ITF no Canadá, e parou nas oitavas.

“Aprendi muito nos últimos dois anos. Precisei ter muita paciência dentro e fora da quadra. Em vários momentos eu estava completamente parada, não estava sendo uma atleta profissional e perdi um pouco das minhas habilidades. Mas depois tive muita disciplina e paciência. Segui acreditando no processo”, disse Brady na entrevista em quadra.

“Acho que muitos tenistas diriam isso: É uma parte da nossa vida que é tirada de nós. E espero nunca perder esse espírito. É muito bom estar aqui e competindo contra as melhores”, acrescentou a norte-americana. “Ela está em ótima forma e muito bem no ranking. Estou muito feliz por ter conseguido lidar bem com as emoções e seguido meu plano de jogo para vencer hoje”.

Com seu jogo agressivo e de muita potência nos golpes, Brady colocou pressão constante sobre os games de saque de Kalinina e conseguiu seis quebras na partida, três em cada set. Ela liderou a estatística de winners por 20 a 16 e cometeu apenas 10 erros não-forçados contra 26 da rival. Sua próxima rival pode ser a também norte-americana Madison Keys ou a chinesa Qinwen Zheng, que se enfrentam às 21h30 desta terça.

Pegula e Samsonova conhecem rivais nas oitavas
Principal cabeça de chave do torneio e número 4 do mundo, Jessica Pegula estreará em um duelo norte-americano contra a jovem de 21 anos Peyton Stearns, 59ª do ranking, que entrou na chave como lucky-loser (no lugar de Sofia Kenin) e venceu a polonesa Magdalena Frech por 6/1 e 6/4. Já a russa Liudmila Samsonova, 18ª colocada e atual campeã do torneio, vinha de boa estreia na segunda-feira e enfrenta nas oitavas a romena Sorana Cirstea, que bateu a croata Petra Martic por 6/3 e 7/6 (15-13).

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wimbledon seleciona os melhores backhands de 1 mão

Os históricos duelos entre Serena e Venus em Wimbledon

PUBLICIDADE