PLACAR

Bia conquista seu maior título na China e salta no ranking

Foto: WTA Elite Trophy

Zhuhai (China) – O domingo de duas finais para Beatriz Haddad Maia já começa com um título, e o maior de sua carreira de simples. A número 1 do Brasil e 19ª do mundo conquistou o WTA Elite Trophy, na cidade chinesa de Zhuhai, superando na final a tenista da casa Qinwen Zheng, 18ª colocada, em dois tiebreaks, por 7/6 (13-11) e 7/6 (7-4) em 2h50 de partida.

Este é terceiro título para Bia no circuito da WTA. Ela havia vencido dois torneios 250 nas quadras de grama de Nottingham e Birmingham em junho do ano passado e disputou a quinta final da carreira. A decisão mais recente para a paulistana de 27 anos havia acontecido em agosto de 2022, no WTA 1000 de Toronto.

Campeã invicta no Elite Trophy, Bia recebe 700 pontos no ranking mundial da WTA e ultrapassa oito jogadoras. Na lista a ser divulgada na segunda-feira, ela aparecerá na 11ª posição, apenas uma abaixo da melhor marca da carreira. As quatro adversárias no torneio são top 20, tendo passado por Madison Keys e Caroline Garcia na fase de grupos e por Daria Kasatkina na semifinal. Bastante atrativo financeiramente, o torneio também rende a premiação de US$ 605 mil.

Final de duplas ainda neste domingo com Kudermetova
Bia ainda tem a chance de sair de Zhuhai com dois títulos. Ela disputa a final de duplas, ao lado da russa Veronika Kudermetova. Principais cabeças de chave, elas enfrentam a japonesa Miyu Kato e a indonésia Aldila Sutjiadi, cabeças 2. O torneio de duplas não dá pontos no ranking, mas paga até US$ 55 mil pela conquista invicta. A canhota paulista tem cinco títulos profissionais de duplas no circuito, o mais recente no WTA 1000 de Madri, ao lado de Victoria Azarenka em maio.

Superada por Bia na decisão deste domingo, Zheng estava invicta há oito jogos. A jovem chinesa de 21 anos conquistou há duas semanas o WTA 500 de Zhengzhou. Ela vinha de uma semifinal duríssima contra a também chinesa Lin Zhu, 37ª do ranking, com 3h20 de duração. Com os 440 pontos conquistados, ela debuta no top 15 e tinha chance até de top 10 se fosse campeã. E embora o estádio estivesse cheio e com apoio total à jogadora da casa, o comportamento do público foi respeitoso com a brasileira e seus pontos eram sempre aplaudidos.

Bia salvou três set-points na primeira parcial
A dinâmica da partida entre Bia e Zheng lembrou um pouco a estreia contra Keys e o segundo set do duelo com Garcia, já que Zheng é uma jogadora agressiva e de muita potência nos golpes, mas que também poderia dar pontos de graça em erros não forçados eventualmente. Ainda mais, considerando o desgaste que a própria chinesa admitiu ter sentido após a semifinal. Mesmo assim, Zheng foi a primeira a quebrar na partida e chegou a liderar por 4/2, depois de escapar de um 15-40. Mas Bia voltou a pressionar o saque da adversária e buscou o empate no oitavo game.

Na reta final do set, as duas jogadoras confirmaram seus serviços com games rápidos e pontos definidos em poucas trocas. A definição ficou para o tiebreak, em que Bia foi a primeira a abrir vantagem. Com uma boa devolução, seguida para definição do ponto junto à rede, a brasileira abriu 5-3. Ela teve o primeiro set-point no saque, mas Zheng devolveu bem e forçou o erro. Pouco depois, foi a vez de Bia salvar um set-point sendo agressiva para fazer 7-7. Logo na sequência, Bia ainda salvou outro set-point com ótimo saque aberto.

A sorte ajudou a chinesa em mais dois set-points para Bia no tiebreak, em um deles uma devolução de segundo serviço da brasileira saiu por pouco. E no outro, uma bola da chinesa tocou na fita e passou. A canhota paulista fez uma dupla falta e Zheng virou para 11-10. Mas novamente, Bia jogou com coragem e igualou o placar com winner de forehand e seguiu sendo agressiva até fechar a parcial. Zheng terminou o set com 18 a 12 nos winners, mas cometeu 15 erros contra 10 da brasileira.

A brasileira não perdeu sets na competição
Bia soube aproveitar o bom momento na partida e saiu na frente no segundo set, chegando a liderar por 3/1. A brasileira só foi ter o serviço ameaçado no sexto game da parcial. Ela saiu de 0-30 para 40-30, mas Zheng fez três pontos seguidos e devolveu a quebra. Mas logo na sequência, Bia retomou a vantagem, conseguindo a quebra em dupla falta da tenista da casa.

Zheng pediu um atendimento médico por três minutos para refazer uma bandagem na coxa esquerda, mas ela retirou a proteção no meio do game seguinte, antes de Bia fazer 5/3 no placar. A brasileira, que venceu todos os jogos da semana sem perder sets, teve a oportunidade de sacar para o jogo, mas Zheng devolveu a quebra jogando de forma agressiva e conseguiu virar para 6/5.

Mesmo com a reação da rival, Bia permaneceu focada em suas próprias rotinas até o final do jogo e fez um ótimo game de saque. No segundo tiebreak da partida, a brasileira saiu perdendo por 2-0, mas contou com uma dupla falta e dois erros da rival para fazer quatro pontos seguidos. Após a virada de lado, Bia continuou sacando bem e definiu a partida em sets diretos para ficar com o maior título da carreira.

A partida teve três quebras para cada lado. Zheng disparou nove aces, mas fez seis duplas faltas. A chinesa liderou a estatística de winners por 33 a 21, mas cometeu 36 erros não-forçados contra 25 da brasileira.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE