PLACAR

Bia confirma o favoritismo e Brasil já abre 2 a 0

Foto: Luiz Cândido/CBT

por Mário Sérgio Cruz, de Brasília

O primeiro dia de jogos do confronto entre Brasil e Coreia do Sul pelos playoffs da Billie Jean King Cup terminou com duas vitórias brasileiras nesta sexta-feira. Depois de Laura Pigossi ter marcado um duplo 6/1 contra Sohyun Park no início da rodada, foi a vez de Beatriz Haddad Maia confirmar seu amplo favoritismo na partida a jovem de 20 anos e apenas 505ª do ranking Yeonwoo Ku. A número 1 do Brasil e 11ª do mundo venceu por 6/0 e 6/4 em 1h25 de partida.

Aos 27 anos, Bia marcou sua 17ª vitória em 27 jogos de simples pela Billie Jean King Cup. A canhota paulista Bia terá a chance de fechar o confronto na manhã de sábado. Ela entra em quadra às 10h (de Brasília) para enfrentar Sohyun Park, 295ª colocada. Mas o capitão sul-coreano Jungbae Kim ainda pode promover mudanças no time. A rodada terá até três jogos, mas se as brasileiras fizerem 3 a 0, a tendência é não realizar o quarto jogo e ir direto para o encerramento nas duplas.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

O confronto deste final de semana é disputado na quadra de saibro da Arena BRB, em Brasília, ao lado do Estádio Mané Garrincha. O vencedor irá para o Qualificatório Mundial no início de 2024. Além de Bia e Pigossi capitã brasileira Roberta Burzagli ainda conta com Carol Meligeni e as duplistas Luísa Stefani e Ingrid Martins. Já a equipe sul-coreana ainda tem Dayeon Back, Dabin Kim e Bo-Young Jeong.

Brasileira aproveitou muito bem as condições mais rápidas
Assim como já havia acontecido no jogo de Laura Pigossi mais cedo, Bia soube se aproveitar das condições mais rápidas de jogo em Brasília, por conta da altitude na capital federal. A brasileira conseguiu se impor desde o início da partida, apostando em seu jogo agressivo e de muita potência nos golpes. Mesmo enfrentando um break-point no set inicial, Bia abriu vantagem logo cedo, com duas quebras para sair vencendo por 4/0. Pouco depois, voltou a quebrar para confirmar o ‘pneu’.

A segunda parcial foi mais equilibrada e começou com games longos no serviço. Ela salvou dois break-points antes de confirmar o 1/0, mas acabou sofrendo uma quebra dois games mais tarde. Apesar disso, a brasileira era a jogadora mais agressiva em quadra e tinha maior iniciativa dos pontos, colocando pressão constante sobre os games de saque da adversária para devolver a quebra de imediato.

Bia teve novas chances de quebra quando liderava por 3/2 e 4/3, mas só voltaria a quebrar no último game da partida. Na reta final do jogo, ela retomou o bom desempenho no saque para fechar a partida em sets diretos, o que coloca o Brasil em ótima posição no confronto.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE