PLACAR

Bia acredita que pode chegar ao nº 1 do ranking

São Paulo (SP) – A paulista Beatriz Haddad Maia segue no Brasil se preparando para a gira de torneios na América do Norte e cumprindo agenda com patrocinadores. Depois de atender à imprensa no início da semana passada em São Paulo, a número 1 do país participou na última sexta-feira (21) de um evento com alunos do Instituto Patrícia Medrado, fundado pela ex-top 50 baiana que dá nome à organização.

O encontro com os jovens teve espaço para uma roda de bate-papo e a tenista encarou uma série de perguntas elaboradas pelo grupo do projeto social. Entre uma resposta e outra, Bia falou sobre o famoso caderninho que leva consigo para a quadra, a lesão sofrida em Wimbledon e afirmou que acredita que pode alcançar a liderança do ranking de simples da WTA.

+ Bia: ‘O circuito está começando a me respeitar’
+ Sonho Olímpico é mais uma motivação para Bia
+ Bia diz que lesão não atrapalha e mira vaga no Finals

“Eu acredito [que posso ser número 1 do mundo]. Nós, do Brasil e da América do Sul no geral, vivemos muito distantes da realidade de onde o tênis é jogado em alto nível, e eu sempre tive esse problema de questionar se poderia chegar ao top 50 ou entre as 30 melhores. Mas uma o Rafa [Paciaroni, técnico] sempre me empurrou e falou ‘vai que dá'”, explicou sobre a mudança de mentalidade estimulada por seu treinador para que pudesse alcançar objetivos maiores no circuito.

‘Todas têm oportunidade de conquistar coisas grandes’, afirma
Na última quarta-feira, quando se encontrou com jornalistas, Bia explicou que a conquista de Marketa Vondrousova em Wimbledon é uma fonte de motivação. Afinal, a canhota tcheca era apenas a 42ª do mundo quando venceu seu primeiro Grand Slam e se tornou a primeira campeã de Wimbledon que não era cabeça de chave na Era Aberta. “Ver a Vondrousova ganhar nos motiva. Não por ela não ser cabeça de chave e ganhar o torneio, mas porque a gente enxerga o tênis feminino de hoje aberto, onde todas têm oportunidade e estão jogando alto nível para conquistar coisas grandes”.

Em outro momento da conversa, Bia foi questionada sobre o caderno de anotações que sempre a acompanha nos jogos e já deixou muita gente curiosa sobre o seu conteúdo. A canhota de 27 anos então revelou o que exatamente escreve e porquê. “É um diário de tênis no qual eu registro algumas táticas e ressalto minhas qualidades para reforçar o que tenho de bom num momento ruim da partida e me colocar para cima. É uma forma de canalizar minha energia quando estou um pouco mais emotiva e ansiosa”, disse.

A brasileira ainda deu alguns novos detalhes sobre o que aconteceu na partida de oitavas de final de Wimbledon, na qual sofreu uma contratura na região lombar e precisou se retirar após apenas cinco games disputados contra Elena Rybakina, número 3 do ranking. “Quando eu senti que [a dor] era mais forte do que o normal foi como cortar a cordinha do sonho. O pensamento foi que meu sonho ia acabar. Tanto que quando eu volto para devolver o saque [depois do atendimento médico] eu já sabia que não iria continuar, mas não poderia não tentar”.

Por fim, Bia revelou que a partida contra Ons Jabeur nas quartas de final de Roland Garros se tornou a mais especial que já viveu na carreira e que a forma como obteve a virada sobre a tunisiana significou uma grande mudança de mentalidade desde então.

“Eu havia perdido para ela todas as vezes que tínhamos jogado antes, e eu sempre a admirei como pessoa. No dia do jogo, disputando quartas de final de um Grand Slam, numa quadra grande com toda aquela torcida, você flerta com o comodismo. Se você perde, tudo bem, você jogou quartas de final de Roland Garros. E eu consegui jogar um tênis de alto nível, fiz um tiebreak muito bom no segundo set e joguei o que joguei no terceiro, indo para cima. Esse jogo me marcou muito porque eu mudei de nível mental ali”, destacou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE