PLACAR

Alcaraz chega ao bi no deserto e encerra seca de 8 meses

Foto: BNP Paribas Open

Indian Wells (EUA) – Na reedição da final do ano passado, mais uma vez Carlos Alcaraz prevaleceu sobre Daniil Medvedev. Neste domingo, o jovem espanhol faturou o bicampeonato do Masters 1000 de Indian Wells ao superar o russo pelo placar de 7/6 (7-5) e 6/1 em 1h41 de partida.

Com a conquista na Califórnia, Alcaraz encerra um incômodo jejum de oito meses sem comemorar um título, já que o último troféu que havia levantado foi em Wimbledon, no dia 16 de julho. Em números gerais, este é o 13º título da carreira do espanhol e o quinto em Masters 1000, repetindo os triunfos de Miami (2022), Madri (2022 e 2023) e Indian Wells (2023).

Além disso, Carlitos se torna o primeiro bicampeão consecutivo no deserto norte-americano desde que Novak Djokovic superou Roger Federer nas decisões de 2014 e 2015. A campanha desta semana também mantém o jovem de 20 anos na segunda colocação da ATP, agora a 920 pontos de distância do líder Djokovic.

Medvedev, por sua vez, perde a oportunidade de vencer o único evento de nível 1000 em quadra dura que lhe faltava, depois de levantar os troféus de Miami (2023), Canadá (2021), Cincinnati (2019), Xangai (2019) e Paris (2020). Na atualização do ranking nesta segunda-feira, ele continuará como o número 4 do mundo.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Quem começou o jogo controlando as ações foi o russo, que utilizou bem sua principal arma de atacar o adversário com bolas profundas para obter a primeira quebra. Ele chegou a ter 3/0 no placar, apesar de precisar salvar três break-points no terceiro game, que teve duração de nove minutos.

Melhorando aos poucos na partida, Alcaraz mais uma vez pressionou o serviço do russo e aproveitou sua segunda chance de quebra para desfazer a vantagem do rival e empatar a disputa. A partir daí, o jogo seguiu bastante equilibrado e a definição foi para o tiebreak. No desempate, tudo seguiu disputado e Alcaraz levou a melhor por 7-5 após 1h11 de set.

Um dos momentos mais irreverentes da partida aconteceu no sétimo game, quando uma criança de colo começou a chorar e o árbitro sueco Mohamed Lahyani interviu de maneira cômica, pedindo para que dessem “um pouco de amor ao bebê”, arrancando risadas do público e dos jogadores.

Embalado após vencer a primeira parcial, Alcaraz ditou o ritmo ao longo de todo o segundo set, não oferecendo mais nenhum break-point e aproveitando muito bem as chances que teve para superar o saque de Medvedev duas vezes. Sem muita resistência do adversário, o espanhol caminhou tranquilo para confirmar o título e correr para o box de sua equipe comemorar a conquista.

 

26 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás

Verdade. É o primeiro bicampeão desde o GOAT em cima do Terceirão.

O espanhol está de volta.

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
30 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Depois de roland garros,djokovic não volta mas ao número 1

Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás
Responder para  Luis Vanderley Santana

Não precisa, pois já é o rei eterno do tênis. Ninguém jamais chegará perto de 420 semanas #1.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
30 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Rei eterno ? . Jura ??? . Este número de semanas foi atingido depois de 2011 e a partir de 24 anos . Carlos Alcaraz aos 20 , já possui possui 36 Semanas … Abs!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
30 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Esse está na esperança que Alcaraz quebre todos os recordes do goat. Deve ter uma tabela com cada estatística importante e fica acompanhando atentamente os números a cada atualização. Faltam poucos para chegar lá. Vejamos: 23 majors, 384 semanas, 36 masters 1000 e 8 atp finals. Isso se o Djoko não ganhar mais nada e se Alcaraz ganhar tudo daqui em diante. Falta pouquinho rsrsrs.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Juro. Alcaraz se aproveitou da pandemia pra somar semanas fake, mas já tem rival jovem à altura e novos nomes também surgirâo. Não deve pegar entressafra e passará bem longe de 400 semanas.

Hewitt jovem parou em 80 e depois caiu no ostracismo.

Abs!

Charlie
Charlie
30 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Federer sempre será o melhor. Ninguém, nenhum jogador de faz as jogadas dele. Não estou falando de números de títulos e sim de habilidade com a bolinha.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
30 dias atrás
Responder para  Charlie

O incrível caso do melhor tenista que perdeu mais do que venceu seus principais concorrentes kkkk

Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás
Responder para  Charlie

Ronaldinho Gaúcho fazia jogadas acrobáticas que o Messi nunca conseguiu fazer. Quem é melhor?

Eu respondo: melhor é quem vence mais, quem é mais decisivo, quem escolhe as jogadas certas nos pontos vermelhos e não quem faz mais jogadas de circo; os números são consequência disso. Federer não pode ser melhor sendo freguês dos arquirrivais e sem recordes relevantes. E há controvérsias sobre toda essa habilidade, já que era o rei das madeiradas e teve uma esquerda atrofiada até 2017.

David Almeida
David Almeida
30 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Uma partida de tênis muito ruim, uma péssima partida do Medvedev, e também uma péssima partida do Alcaraz. No primeiro set o Alcaraz estava errático e mesmo assim o russo Malvadão não conseguiu se aproveitar, pelo contrário conseguiu jogar pior, muitas duplas falta e nunca acertava o 1° serviço. Foi uma final muito fraca e com um nível muito baixo. Se Djokovic estivesse motivado e com o sangue nos olhos iria destruir qualquer um dos dois na final, mas o Goat está focado em RG e nas Olimpíadas.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás
Responder para  David Almeida

Concordo. Nenhum jogador da atualidade joga o que já jogaram as melhores versões do GOAT de todos os esportes. Nem chegam perto.

joel
joel
30 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Isso é fanatismo é uma seita religiosa das mais severas kkkkkkkkkkkkk GOAT de todos os esportes, de onde esse povo tira essas ideias??? Ah lembrei, é uma seita!!!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás
Responder para  joel

É simples: somente no tênis houve um Big 3, ou seja, os 3 melhores da história se enfrentando por 14-16 anos pelo posto de GOAT. Consegue achar outro esporte em que isso ocorreu?

Creio que não, então aceite o fato.

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
30 dias atrás

Alcaraz está voltando a jogar um grande tênis

Rafael Azevedo
Rafael Azevedo
30 dias atrás

Ainda está atrás de Guga. Hehehe

Cacio Luiz Crozariolo
Cacio Luiz Crozariolo
30 dias atrás

Venceu todos os que ganharam dele nas ultimas partidas em fases avançadas dos torneios. Zverev, Sinner e por último o Med.

Richard
Richard
30 dias atrás

Onde estão os comentários daqueles que consideravam o Alcaraz acabado e decadente? Qualquer um que acompanha tênis sabe (ou deveria saber) que oscilar nessa idade é absolutamente normal. O cara é um fenômeno que aos 20 anos já conquistou 2 Grand Slams e 5 Masters 1000 e merece mais respeito.

Marcos Ribeiro
Marcos Ribeiro
30 dias atrás
Responder para  Richard

Tem gente por aqui que acha que é precipitação reconhecer que Alcaraz e Sinner são fenomenais, mas acham normal fazerem críticas com base em 1 único jogo. Este absurdo tem explicação: eles têm necessidade de sempre defender o seu ídolo, que nem sabe que eles existem, e o defendem com o 1o. argumento que lhes vem à cabeça. É algo super estranho, mas, talvez por ser estranho, às vezes também é bem engraçado. rss

Gilvan
Gilvan
30 dias atrás

Enquanto em 2024 o Alcaraz faturou um M1000 e o Sinner faturou um GS, Djocovid faturou… um autógrafo do Curry!

Rodri
Rodri
30 dias atrás
Responder para  Gilvan

Kkkkk o que anos de surra no seu ídolo não faz com a cabeça do sujeito

Pedro
Pedro
30 dias atrás
Responder para  Gilvan

Kkkkk

Jairo Padilha
30 dias atrás

O Alcaraz é um fenômeno e, se as lesões não atrapalharem, certamente terá um futuro brilhante

Scott
Scott
30 dias atrás

Voa garoto!!!

Belarmino Jr
Belarmino Jr
30 dias atrás

O melhor depois do GOAT Federer

Marcos Fontes
Marcos Fontes
30 dias atrás

É difícil se acostumar sem o Big 3. Quando Djokovic parar é isso aê que a gente vai ter que aturar? Jogadores bons, mas bem limitados … pois é, é o que nos restará.

rubens
rubens
30 dias atrás

falta muita estrada ainda pra chegar no wairinka, depois muito chão pra alcançar o Murray, os outros 3 é só um sonho distante

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da decisão em Monte Carlo

Medvedev em outro ataque de fúria e desconta na raquete

PUBLICIDADE