PLACAR

A nova rainha do tênis

Foto: Mutua Madrid Open

Ninguém mais duvida de Iga Swiatek. Nesta temporada, a polonesa já venceu os WTA 1000 de Doha e Indian Wells, e agora faturou também o recém concluído Madrid Open, um teste importante da temporada de saibro que culmina em Roland Garros, o segundo Grand Slam do ano e único sobre a terra batida.

Número 1 do mundo desde a aposentadoria da australiana Ashleigh Barty, Iga vem se mostrando consistente, embora sofra derrotas esporádicas, fato normal e muitas vezes incompreendido pela maioria dos fãs do esporte.

Ao que tudo indica e pelo nível de tênis que vem apresentando, ficará no topo por um bom tempo, já que a sua diferença para a número 2, a bielorrussa Aryna Sabalenka, contabiliza mais de 3.400 pontos. É bem verdade que essa distância pode ser encurtada na defesa de pontos, principalmente nos Grand Slam (que valem 2.000 pontos para a campeã) ou num caso extremo de derrotas sucessivas em primeiras rodadas.

O fato é que, independente dessa tabuada insana de ganhar, perder e se manter, Swiatek vem demonstrando estabilidade e ainda melhorias constantes no seu jogo. Boa parte da torcida verde e amarela acompanhou o jogo dela contra Bia Haddad, no qual presenciamos uma virada perfeita da polonesa. Depois de a brasileira sair de uma desvantagem de 1/4 e vencer o primeiro set por 6/4, Iga marcou inapeláveis 6/0 e 6/2.

Vimos, a partir daí, o seu melhor tênis até a disputadíssima final contra Sabalenka, que provavelmente se repetirá muitas vezes entre as duas melhores do ranking atual. É surpreendente notar que, numa análise mais apurada, seus pontos fracos não emergem.

Tecnicamente, consegue imprimir muito top spin de direita, com uma empunhadura pouco comum no circuito feminino (a full western); no backhand, consegue bater mais reto, também sendo regular e agressiva. Seu saque é devastador ao longo de todo o jogo, além de volear quando necessário.

Taticamente, Iga usa toda a quadra para deslocar a adversária, abusa de ângulos e variações com deixadinhas e trocas de direção, facilitadas pela sua capacidade física de chegar sempre muito equilibrada em todas as bolas. A polonesa é rápida, forte e ágil, capaz de bater na bola totalmente agachada, quase encostando um joelho no chão.

Para fechar o perfil, Swiatek tem uma das mentalidades mais competitivas e positivas do circuito. Não se deixa abater ao longo do jogo, é estável e aguerrida. Sabe jogar os momentos difíceis de cada partida, não se abate com derrotas e vem acumulando vitórias que vão solidificar ainda mais essa bagagem mental.

Aliás, vale ressaltar, é uma das poucas tenistas que viaja com uma psicóloga a tiracolo. Elogiada por grandes conhecedores da modalidade, a polonesa de apenas 22 anos (completa 23 no próximo dia 31) precisou de dois anos após sua primeira vitória em Roland Garros, em 2020, para lapidar seu jogo e se solidificar no topo. Pelas evidências, já ganhou a coroa e vai partir para as quebras de recordes logo mais.

36 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
João Sawao ando
João Sawao ando
22 dias atrás

Patrícia. Você não acha que a Bia maia precisa de uma psicóloga também?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
22 dias atrás
Responder para  Patrícia Medrado

JOÃO SAWAO ANDO E PATRÍCIA MEDRADO, nesse caso, Beatriz teria que substituir a Carla Di Pierro por Sigmund Freud e Carl Gustav Jung, em trabalho conjunto…

João Sawao ando
João Sawao ando
20 dias atrás
Responder para  Patrícia Medrado

Ah tá obrigado. Boa noite

André Prioli
André Prioli
22 dias atrás

Adorei o texto… essa defesa com o joelho praticamente no chão deve ter se inspirado na conterrânea que desfilava pelas quadras, a maravilhosa Agnieska Radvanska

Luis Ricardo
Luis Ricardo
22 dias atrás
Responder para  André Prioli

Put’z….vc trouxe saudades da inesquecivel “Aga” ….que tenista maravilhosa , era magia pura , ela conseguia fazer pontos que nem o Federer fazia……só pra lembrar, o apelido dela entre as tenistas era , “a professora” , e não a toa…

Paulo
Paulo
22 dias atrás

Iga é diferenciada. E tem muita coisa que ela precisa melhorar, assim como a Navratilova insiste sempre em dizer para a Iga desenvolver o jogo na rede.

Gosto muito de acompanhá-la.

Luis Ricardo
Luis Ricardo
22 dias atrás
Responder para  Paulo

desculpa mas , não vejo que tenha “tanta” coisa a melhorar , se ela não vai muito na rede é simplesmente porque com seu jogo ofensivo e agressivo de fundo da quadra , não precisa.

Paulo
Paulo
21 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Aí, é seu ponto de vista. Só estou comentando o que a própria Navratilova falou mais de uma vez! E toda tenista tem “coisas” a aprender ou melhorar. Quem pensa o contrário disso esta fadado a regredir.

Fernando Venezian
Fernando Venezian
22 dias atrás

Eu gosto da Iga, mas a Medrado exagerou em algumas coisas. O saque da polonesa tá à quilômetros de ser bom. É um fundamento digno e só. E na questão da variação, não se vê isso no jogo dela.

Samuel, o Samuca
Samuel, o Samuca
21 dias atrás
Responder para  Patrícia Medrado

Talvez ela tenha grande aproveitamento no saque porque ela é muito melhor nos outros aspectos do jogo.

Arnaldo
Arnaldo
21 dias atrás
Responder para  Patrícia Medrado

Exatamente Medrado, Iga sempre é quem toma a iniciativa mudando o jogo com uma paralela.
No jogo contra a Bia é possível observar que Iga castigava o Backhand da Bia, (Lado direito, Bia é canhota ), que insistia em devolver cruzado e ai a Iga tomava a iniciativa na paralela, poucas vezes a Bia tomava iniciativa de dar paralela para ir pro Forehand.

Joaz
Joaz
22 dias atrás

Iga certamente vai estar entre os grandes nomes do tênis feminino quando parar. É muito nova p/ ter as marcas expressivas que já conseguiu.

Samuel, o Samuca
Samuel, o Samuca
22 dias atrás

A polaca é magnífica.
Por outro lado, a Sabalenka brilhou no Australian Open. Não conseguiu manter o nível por motivos de foro íntimo e que todos tem conhecimento.
Parece que está voltando ao nível do início do ano e se isso acontecer a luta entre elas vai ser de arrepiar!!!
O que você acha disso???

Luis Ricardo
Luis Ricardo
22 dias atrás
Responder para  Samuel, o Samuca

ela perdeu o pai faz já algum tempo e o namorido agora a pouco , não vejo que tenha influenciado muito ,, até porque na final de Madri , não mostrou abalo em nenhum momento , europeios principalmente do leste não são muito senciveis a perdas . Agora essa gritaria absurda dela é muito desagradavel , ela e a Vika , são chatas demais…

Samuel, o Samuca
Samuel, o Samuca
22 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Será que a Sabalenka é fria. Ela é muito expressiva e isso não combina com as pessoas geladas.
Muitos tenistas do leste europeu foram ou são muito emotivos.
Por exemplo: Marat Safin, Dinara Safina, Andrey Rublev, Daniil Medvedev, Ana Ivanovic, etc.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
21 dias atrás
Responder para  Samuel, o Samuca

SAMUEL, O SAMUCA, você já viu alguém provido de frieza gritando, gemendo e por vezes até chorando ao final das partidas, como o faz a linda, selvagem e principalmente boa de tênis, Aryna Sabalenka?

Samuel, o Samuca
Samuel, o Samuca
21 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Para mim, a Sabalenka passa longe de ser fria. Faltou uma interrogação no meu texto acima, más afirmei que frieza não combina com expressividade.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
21 dias atrás
Responder para  Samuel, o Samuca

TÁ PERDOADO…

Paulo A.
Paulo A.
22 dias atrás

Que texto delicioso de se ler e com uma ótima análise do jogo da Iga. Parabéns, Patrícia.

Paulo H
Paulo H
22 dias atrás

Belo texto, discordo somente em relação ao saque, fundamento em que ainda tem muito para melhorar (o segundo então, vira quase sempre winner de devolução para a adversária). Como não tem grande envergadura, creio que deveria investir em mais efeito e top-spin no saque.

Luis Ricardo
Luis Ricardo
22 dias atrás

daqui a pouco aparece aqui o tal Flávio , pra destilar seu veneno em contra da Iga…

Marcos RJ
Marcos RJ
22 dias atrás

Excelente materia!
Sempre procuro assistir os grandes jogos tanto da ATP quanto WTA. Nas últimas décadas fomos presenteados com a explosão de rivalidades no auge do big 4, enquanto o circuito feminino gravitava em torno da rainha sol Serena. Sem desmerecer as grandes jogadoras da época (como Justine Henin, Kim Clijsters, Venus, Sharapova, entre muitas outras), a WTA nunca proporcionou rivalidades com a mesma regularidade e consistência.
Hoje vemos um cenário muito interessante no tênis feminino, com grandes jogadoras com estilos distintos competindo palmo a palmo, com o favoritismo variando conforme a velocidade de pisos e ambiente. A WTA começa a mostrar um emergente big3 competindo pelos grandes torneios, apesar da lideranca da polonesa. Isso e muito bom para o esporte.

Waldemar
Waldemar
22 dias atrás

Desculpa maís não concordo com Nova rainha do tênis no singular pois o certo é as novas rainhas do tênis (plural) a sabalenka e tão boa ou até melhor que a iga na verdade acho a sabalenka mais completa que a polonesa pois tem todos os fundamentos talvez perca só um pouquinho no mental mais a Bielorrússa está cada vez mais forte mentalmente também além de ter certeza de que a sabalenka é muito mais verdadeira que a polaca pois assim como o DJOKOVIC ela não fica escondendo suas frustrações pra agradar meia dúzia de politicamente corretos. Abs!

SANDRO
SANDRO
21 dias atrás
Responder para  Waldemar

SABALENKA nunca foi e nunca será melhor que IGA…

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
22 dias atrás

TOMARA MESMO que a maravilhosa Serena Williams tenha, enfim, conquistado mais um troféu, ou seja, uma substituta à altura. A nova controladora das gigantes Goodyear e Michelin parece ter fôlego suficiente e principalmente tênis de sobra, para ser a nova rainha da cocada preta, da branca, da amarela e de todo o arco-íris feminino…

SANDRO
SANDRO
21 dias atrás

Duvidar de IGA??? Ela é só TRICAMPEÃ de ROLAND GARROS já no início da carreira… Como duvidar de IGA???

Luiz Diego
Luiz Diego
20 dias atrás

Excelente texto Patricia! Sou fã da Iga.

Abraços.

Carlos Roberto Gomes
Carlos Roberto Gomes
18 dias atrás

Olá Patricia

Não te conheço, mas sou da época do Kyrmair, Paulo Cleto, Ipê – Luiz Felipe Tavares, Fernando Gentil, Marcelo Meyer…

Desiste do tênis profissional, quando fui convidado por Loyo Maia e Luiz Garcia tenistas profissionais e da Davis do México, no campeonato brasileiro de Tênis de Santos, Depois de uma conversa com meu pai que comentou comigo, pois era irritado, quebrava raquetes, discutia com juízes,… fumava e gostava da noite.

Enrolei muito né! , desiste e fiz medicina, no começo de carreira psiquiatria e queria comentar com você que a PARTE MENTAL é tudo no tênis.

Se a Bia está sendo orientada como você mencionou, que trabalha com a Carla Di Pierro, psicóloga do Comitê Olímpico do Brasil. Super renomada na área. Não viajam tanto juntas, mas devem manter contato com frequência.

O fato de ser super renomada, DE FORMA NENHUMA pode trazer bons resultados, como exemplo um médico jovem às vezes tem condutas mais específica que um super professor e doutor.

Assim discordo ele tem sim de trocar de psicólogo e melhorar DEMASIADAMENTE seu saque, hoje contra a Keys perdeu MUITOS GAMES com seu saque.

Atenciosamente, abraços.

Carlos

Carlos Roberto Gomes
Carlos Roberto Gomes
18 dias atrás

Qual o motivo de não colocarem meu comentário?Olá Patricia

Não te conheço, mas sou da época do Kyrmair, Paulo Cleto, Ipê – Luiz Felipe Tavares, Fernando Gentil, Marcelo Meyer…

Desiste do tênis profissional, quando fui convidado por Loyo Maia e Luiz Garcia tenistas profissionais e da Davis do México, no campeonato brasileiro de Tênis de Santos, Depois de uma conversa com meu pai que comentou comigo, pois era irritado, quebrava raquetes, discutia com juízes,… fumava e gostava da noite.

Enrolei muito né! , desiste e fiz medicina, no começo de carreira psiquiatria e queria comentar com você que a PARTE MENTAL é tudo no tênis.

Se a Bia está sendo orientada como você mencionou, que trabalha com a Carla Di Pierro, psicóloga do Comitê Olímpico do Brasil. Super renomada na área. Não viajam tanto juntas, mas devem manter contato com frequência.

O fato de ser super renomada, DE FORMA NENHUMA pode trazer bons resultados, como exemplo um médico jovem às vezes tem condutas mais específica que um super professor e doutor.

Assim discordo ela tem sim de trocar de psicólogo e melhorar DEMASIADAMENTE seu saque, hoje contra a Keys perdeu MUITOS GAMES com seu saque.

Atenciosamente, abraços.

Carlos

José Nilton Dalcim
Admin
18 dias atrás
Responder para  Carlos Roberto Gomes

Você já repetiu o mesmo comentário em cinco notas diferentes!!!!!!

Carlos Roberto Gomes
Carlos Roberto Gomes
18 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Ok eu pensei que não tinha colocado em comentário, me desculpe!

Ex-tenista profissional e medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos na Cidade do México-1975, foi por 11 anos consecutivos a número 1 do Brasil e chegou ao top 50 em simples. Atualmente, possui 16 títulos mundiais no circuito Masters da ITF e ocupa os cargos de diretora executiva do Instituto Patrícia Medrado e líder do Comitê Esporte do Grupo Mulheres do Brasil.
Ex-tenista profissional e medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos na Cidade do México-1975, foi por 11 anos consecutivos a número 1 do Brasil e chegou ao top 50 em simples. Atualmente, possui 16 títulos mundiais no circuito Masters da ITF e ocupa os cargos de diretora executiva do Instituto Patrícia Medrado e líder do Comitê Esporte do Grupo Mulheres do Brasil.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals