PLACAR

Zverev minimiza cansaço após batalhas de cinco sets

Foto: ATP Tour

Melbourne (Austrália) – Cabeça de chave número 6, Alexander Zverev vem sofrendo bastante para avançar de fase no Australian Open. Nas quatro primeiras rodadas, o alemão precisou disputar duas partidas de cinco sets, ambas decididas somente no tiebreak, e mais outro confronto de quatro parciais, somando 13h47 dentro de quadra até aqui.

Mesmo diante do grande esforço, o jogador de 26 anos minimizou o cansaço após esses jogos e afirma que se sente fisicamente bem para encarar o espanhol Carlos Alcaraz, de 20 anos e número 2 do mundo, nas quartas de final. No entanto, ele admite que o rival possa ter uma certa vantagem por ter se desgastado menos até aqui.

“Obviamente, se você joga menos, fica mais revigorado. Mas eu me sinto bem. Não estou como em Nova York, onde estava completamente morto e onde me sentia fisicamente exausto. Estou cansado, com certeza, porque joguei duas vezes um tiebreak no quinto set nas últimas três partidas, mas não estou morto e nem completamente exausto. Espero que desta vez seja muito diferente”, comentou ao recordar o duelo com Alcaraz no US Open do ano passado, quando também enfrentou o espanhol nas quartas de final após uma batalha de cinco sets na rodada anterior.

Sobre a partida desta segunda-feira, Zverev citou a melhora no nível de seu jogo justamente no desempate da parcial decisiva para superar o britânico Cameron Norrie por 7/5, 3/6, 6/3, 4/6 e 7/6 (10-3). “Sinto que joguei o meu melhor tênis no tiebreak do quinto set. Acho que isso foi extremamente importante. Durante grande parte da partida eu não me senti bem em quadra e não estava acertando a bola tão bem quanto talvez no jogo anterior”, analisou.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Alemão revela pautas abordadas no conselho de jogadores
Indicado como membro do conselho de jogadores da ATP para o próximo biênio, Sascha comentou quais são os principais assuntos que vem sido debatidos neste começo de trabalho do novo grupo e criticou o atual modelo de calendário do tênis mundial.

“Acho que há algumas questões nas quais nós realmente queremos nos concentrar, como o formato da Copa Davis e o nosso calendário de torneios. Acho que jogar 11 meses e meio ou 11 meses por ano é demais, na minha opinião. Ter mais de 500 eventos ou mais Masters 1000 é uma grande oportunidade para os tenistas, obviamente, mas acho que também está ficando um pouco fora de controle. Existem todas essas discussões estamos todos lá para tentar fazer um tour melhor”, destacou.

3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Leonardo
Leonardo
1 mês atrás

Não acho que o cansaso vai ser um problema. Zverev tem 26 anos, nessa idade a recuperação é rapida, e os GS te dão um dia de intervalo de descanso. O problema do Zverev levando os jogos a 5 sets é a irregularidade, joga um set em alto nivel, logo desconcentra e perde o outro. Contra Norrie até podemos dar credito ao adversario, mas contra Lukas Klein foi muito irregular, por pouco não perdeu. Alcaraz não vai perdorar se baixar a guarda assim. O cansaço é o de menos

Fernando Venezian
Fernando Venezian
1 mês atrás

A explicação mais plausível pros tenistas sofrerem mais no US OPEN, além da umidade alta, é um dos últimos torneios da temporada. Na Austrália, os atletas estão inteiros fisicamente. Tomara que Sascha x Carlitos seja um grande jogo!

rubens
rubens
1 mês atrás

o cara preocupado com o número de torneios???? não entendo isso? joga quem quer? cada jogador faz seu roteiro na temporada, ´so é obrigatórios para os tops os master 1000 e slans que dão 13 torneios????? se não quiser nao joga. deixe os outros torneios para os jogadores com menos talento ganharem algum!

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE