PLACAR

Wozniacki conta que a filha quer se tornar tenista

Foto: Mike Lawrence/USTA

Nova York (EUA) – De volta ao circuito profissional depois de três temporadas, Caroline Wozniacki agora viaja para os torneios acompanhada dos filhos, Olivia e James. E ela conta que Olivia, de dois anos, tem sido uma grande incentivadora nesse retorno e quer seguir os passos da mãe para também se tornar tenista.

“Em geral, a programação é diferente. Quando volto para o quarto do hotel, as crianças ficam muito animadas em me ver. Olivia de repente ficou obcecada por tênis. Vou ver bolas tênis por mais algumas horas nesta tarde…”, disse Wozniacki, na coletiva de imprensa da última sexta-feira em Nova York. Ela estreia na segunda-feira contra a russa de 19 anos e vinda do quali Tatiana Prozorova.

“Há muita coisa para fazer aqui na cidade. Estamos perto de um parque. E tenho muitos amigos aqui que têm filhos. Ontem eu estava tentando levar a Olivia para passear depois que ela acordou de manhã. Basicamente, desde o momento em que ela acordou, ela disse: ‘Mamãe, mamãe, você lembrou? Você trouxe mais bolinhas de tênis?’. E na verdade eu esqueci”, comenta a jogadora de 33 anos.

“Felizmente, meu pai conseguiu algumas daquelas mais macias. Ficamos lá no quarto do hotel até o almoço porque ela não parava de jogar tênis. Isso foi interessante (sorrindo). Esta manhã, antes de eu ir treinar: ela me disse: ‘Mamãe, mamãe, posso ir trabalhar com você? Eu quero ser como você. Eu quero jogar tênis’. Essas são coisas fofas. Eu disse: ‘Podemos jogar tênis à tarde'”, acrescentou a dinamarquesa.

Grande amiga de Serena Williams, que também voltou a jogar depois de ser mãe, Wozniacki tem trocado experiências com a vencedora de 23 títulos de Grand Slam. Ela agora também faz parte de um grupo de jogadoras que já são mães no circuito profissional, como Victoria Azarenka, Elina Svitolina, Vera Zvonareva e Tatjana Maria.

“Acho que todo mundo é tão diferente. Obviamente tive essa conversa com Serena há algum tempo. Ela está me apoiando em tudo o que eu faço. Ela achou muito legal eu voltar. Mas todo mundo é diferente. E acho legal você escolher seu próprio caminho. Acima de tudo, estou orgulhosa de sermos algumas mães em turnê que abriram o caminho para a geração futura, mostrando que é possível fazer uma pausa, formar uma família e depois voltar. As mulheres mostraram que ainda é possível jogar em um nível muito alto”, explicou a ex-líder do ranking.

Tenista ainda convive com artrite reumatoide 

A carreira de Wozniacki também foi interrompida por outro motivo. No fim de 2018, ela anunciou que tinha artrite reumatoide, doença que a impedia de manter um calendário de competições tão pesado e que dificultava até mesmo algumas atividades cotidianas, como pentear os cabelos, por exemplo. Ela conta que aprendeu a conviver com o problema ao longo dos anos, mas não sabe como o corpo vai reagir em jornadas muito longas.

“Eu ainda tenho artrite reumatóide. É algo que terei que conviver pelo resto da minha vida. Obviamente, quando eu não estava jogando, era muito mais fácil de administrar. Você pode controlar o estresse que coloca em seu corpo, com o sono e tudo mais. Agora vai ser um pouco mais desafiador quando você precisa enfrentar as melhores jogadoras do mundo.

Mas estou bastante confiante no fato de que posso manter meu corpo sob controle. Acho que quanto mais você aprende sobre seu corpo, você sabe quais são os gatilhos e o que pode fazer para se sentir melhor rapidamente. Então é algo com que estou lidando diariamente. Todo dia é diferente. Todo dia é novo. Sim, não posso prever depois de jogar várias partidas, de ir longe em um torneio, como meu corpo vai reagir. Mas até aí tudo bem.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE