PLACAR

Shelton: “Muitos parecem mal, mas correm em seguida”

Ben Shelton (Foto: Mike Lawrence/USTA)

Nova York (EUA) – O jovem norte-americano Ben Shelton conquistou uma vitória até que rápida na segunda rodada do US Open, venceu um primeiro set duríssimo contra o austríaco Dominic Thiem e logo no começo do segundo viu o rival desistir. Após garantir vaga na terceira fase, o tenista da casa falou sobre a partida e também sobre seu primeiro ano totalmente focado no circuito da ATP.

“Acho que posso ter muita confiança com base em como estava jogando no primeiro set, porque na maior parte dele, praticamente em todo o set, não notei nenhuma diferença ou quedas no jogo dele (Thiem). Achei que estava jogando bem. estou feliz com a forma como competi durante todo o set”, comentou o tenista de 20 anos e atual 47 do mundo.

“É sempre lamentável quando um jogo é interrompido. Não tinha notado nada antes, mas estava bastante focado, as emoções estavam à flor da pele naquele momento. Eu estava apenas competindo o melhor que pude e não estava olhando muito para o outro lado. Talvez assim eu poderia ter notado. A vantagem é que estarei mais descansado daqui a dois dias.”, comentou Shelton.

O norte-americano ainda falou que manteve a concentração até o momento da desistência. “Quando ele voltou à quadra depois da pausa para ir ao banheiro, estava bastante abatido e com a cabeça baixa. Mas eu joguei com muitos caras em turnê que vão dar aquela caminhada, meio que agindo como se estivessem caídos, mas então correm como um coelho no próximo ponto”.

Em seu primeiro ano completo no circuito, o norte-americano ainda vai se adaptando às diferenças da ATP e do tênis universitário. “Acho que é um pouco mais solitário do que estar na faculdade, em que você viaja com uma grande equipe, todos os seus amigos. Sempre fica em um quarto de hotel com outra pessoa. Não há muito tempo de inatividade ou sozinho”, observou Shelton.

“No circuito, você tem muito mais tempo sozinho em seu quarto de hotel, mais tempo para pensar nas coisas. Isso pode ser positivo ou negativo (sorrindo). Mas eu diria que essa é uma das maiores diferenças para mim. A outra diferença é que não há muitas pausas no cronograma”, complementou o norte-americano, que agora terá pela frente o russo Aslan Karatsev

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE