PLACAR

Sabalenka: “Lição para que possa voltar mais forte”

Foto: Pete Staples/USTA

Nova York (EUA) – Derrotada de virada na final deste sábado no US Open, a bielorrussa Aryna Sabalenka não escondeu a frustração do resultado negativo contra a norte-americana Coco Gauff e disse que só não estava pior porque vai sair da competição como número 1 do mundo. Ela acredita que não soube lidar bem com a partida e coloca em suas costas a virada que a jovem rival conseguiu buscar para faturar o título.

“A boa notícia é que sou eu contra mim mesma. O ruim é que ainda tenho esses problemas jogando contra mim mesma”, brincou Sabalenka. Há algumas coisas positivas que deixo e outras nem tanto. Mas está tudo bem, é um processo. Estamos todos aprendendo e acho que é uma lição para que eu possa depois voltar mais forte”, observou a bielorrussa.

Futura número 1 do mundo, assumindo a liderança na próxima segunda-feira, Salenka disse que o ranking será seu prêmio de consolo. “É por isso que provavelmente não estou super deprimida agora, mas definitivamente estarei. Vou tomar uma bebida esta noite, se me permitirem dizer isso. Sim, somos atletas, mas às vezes bebemos. Mas não muito”, falou vice-campeã do US Open

“Tornar-se o número 1 do mundo é um grande avanço e uma conquista de verdade. Estou muito orgulhosa de mim mesma porque todos esses anos em que trabalhei tanto me ajudaram a me tornar a número 1 do mundo”, acrescentou Aryna, analisando a situação de forma um pouco mais séria.

Sobre a partida, a bielorrussa acredita que poderia ter vencido e que a virada só aconteceu porque ela mesma não teve forças para manter o nível. “No primeiro set eu estava lidando muito bem com minhas emoções, estava focada em mim e não na multidão ou na maneira como ela se movia. Mas então, no segundo set, provavelmente comecei a pensar demais e, por causa disso, comecei a perder”, analisou.

“Então ela começou a se mover melhor e eu passei a perder muitos lances fáceis. Ela estava se movendo muito bem e se defendendo muito bem, melhor do que qualquer outra pessoa, sempre me fazendo jogar uma bola a mais. É uma combinação de tudo, mas diria que hoje foi mais por minha causa. Não a partida toda, mas teve momentos chave no segundo set que deixei o jogo escapar e ajudei ela a virar”, falou Sabalenka.

A bielorrussa não viu a torcida como um problema e acha normal o que aconteceu em quadra, já que não houve exageros. “Claro que eles vão apoiá-la, tem 19 anos e está jogando a final de um Grand Slam. Isso é simplesmente inacreditável. Ela realmente fez história. Eu meio que esperava isso”, afirmou a futura líder do ranking, que também agradeceu o apoio da família.

“Sem eles eu não estaria aqui, eles se esforçaram tanto para que eu tivesse a chance de me tornar um tenista. Não sei que horas são agora lá, provavelmente bem tarde, e eles estavam estavam acordados, me vendo. Agora podem ir para a cama, mas com certeza não vão dormir bem. Então é por isso que peço desculpas”, encerrou Sabalenka.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE