PLACAR

Ruud diz que sétimo game foi o ponto de virada

Paris (França) – Depois de começar a final deste domingo com tudo, abrindo 3/0 contra o sérvio Novak Djokovic, o norueguês Casper Ruud viu o rival crescer na partida para triunfar depois em sets diretos, com parciais de 7/6 (7-1), 6/3 e 7/5, e assim comemorar seu 23º título de Grand Slam. Na entrevista coletiva, o vice-campeão afirmou que o sétimo game do primeiro set acabou sendo o ponto de virada.

“Acho que a virada veio obviamente no game em que estava 4/2. Isso foi lamentável. Teve um rali longo e terminei errando um um smash, o que foi um pouco devastador. Quero dizer, não acho que perdi por causa disso, mas seria bem melhor sentar e ter 5/2”, comentou o norueguês, que após ver Djokovic buscar a igualdade, acabou perdendo o primeiro set em um desempate dominado pelo rival.

“Novak apenas cresceu no tiebreak, jogou especialmente bem no começo e teve uma grande vantagem. Depois, eu não consegui me recuperar. Fico um pouco desapontado por não ter conseguido mantê-lo mais próximo no início do segundo, ele conquistou uma quebra muito cedo e eu não consegui me recuperar. O terceiro set estava próximo, mas não tive muitas chances. Tentei segurar meu saque, ficar lá e ver o que acontecia.”, acrescentou Ruud.

O norueguês lamentou a derrota, mas deu todo o crédito ao algoz, que foi crescendo no decorrer da partida. “Acho que fiz uma boa largada, e ele cometeu alguns erros logo no começo, talvez um pouco nervoso, me dando alguns pontos de graça. Abri 3/0, mas a partir daí ele minimizou muito os erros e encontrou o seu nível”, analisou o vice-campeão de Roland Garros.

“Acho que eu tinha um bom plano de jogo e funcionou bem no começo. Também porque ele cometeu alguns erros. Mas depois ele cresceu e não é a primeira vez que faz isso. Você pode ver por que ele ganhou 23 títulos de Grand Slam. Tem uma defesa ridícula, que faz com que você exagere às vezes, não comete erros e encaixa algumas bolas vencedoras. É irritante e muito impressionante”, acrescentou Ruud.

Peso de perder suas três primeiras finais de Grand Slam

“Talvez eu não sinta a necessidade ainda (de procurar ajuda), mas vamos ver o que o futuro nos reserva. Nunca se sabe. Sempre pode ser bom com novos olhos no seu jogo. Não é algo que eu tenha pensado muito. Mas os três jogadores que joguei nas finais foram apenas Rafa (Nadal) indo para, na época, o recorde de 22, depois Carlos (Alcaraz) que estava pegando fogo em Nova York, e então aqui, Novak, indo para 23 Slam”.

Pensamentos após perder o primeiro set

“Bem, não são permitidos palavrões aqui, então não sei o que dizer. Mas você está pensando naquela palavra com F (sorrindo), porque tinha acabado de perder um set muito difícil contra Novak. Tentei o meu melhor para esfriar a cabeça e encontrar energia para o próximo set. Não consegui e isso foi um pouco decepcionante”.

Temporada de grama pela frente

“Honestamente, acho divertido jogar na grama. Quando eu disse no ano passado que grama é apenas para jogadores de golfe, foi mais uma piada, que foi levada muito a sério. Acho divertido jogar no piso, mas não combina muito com o meu jogo, eu me sinto um pouco desconfortável nisso”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE