PLACAR

“Podemos dizer que estou de volta”, celebra Zverev

Foto: Pete Staples/USTA

Nova York (EUA) – Quando o sorteio do US Open saiu, muitos já previam um duelo entre Jannik Sinner e Carlos Alcaraz nas quartas de final. Mas o alemão Alexander Zverev tratou de frustrar as expectativas destes e eliminou o italiano nas oitavas de final, em uma batalha de cinco sets e 4h40 de duração. Agora, será ele que enfrentará o atual número 1 do mundo por uma vaga nas semifinais do torneio.

“Foi a minha partida mais longa no US Open, é inacreditável. Podemos dizer que estou de volta. Eu vivo para esse tipo de noite, esses são os jogos que adoro participar. Obviamente, adoraria ter disputado uma partida um pouco mais curta, mas também me lembro de tudo o que senti no ano passado, no período em que não pude competir devido a uma lesão”, comentou o germânico.

“Senti falta justamente desse tipo de emoção, jogando além da 01h30 de na manhã em um estádio lotado como o de Arthur Ashe. Não há nada melhor do que isso”, complementou Zverev, que em 2022 perdeu o US Open se recuperado da grave torção nos ligamentos sofrida nas semifinais de Roland Garros naquele ano para voltar a competir apenas nesta temporada.

Zverev projeta o duelo com Alcaraz na próxima partida e afirma que justamente são essas partidas que ele mais gosta de jogar. “Estou aqui para isso, é o que adoro fazer. Não sei como vai acabar, só sei que vou dar o meu melhor como sempre fiz, lutando por cada bola até o último momento”, afirmou o alemão, que tem três vitórias e duas derrotas contra o rival espanhol.

“Claro que a primeira coisa que tenho de fazer neste momento é descansar e recuperar fisicamente deste jogo, mas espero estar pronto para o próximo duelo”, disse Zverev, que com a campanha no US Open está voltando provisoriamente ao top 10, embora ainda dependa do final do torneio para garantir o retorno aos 10 primeiros.

Depois de perder o quarto set, no qual chegou a pedir para que um torcedor fosse retirado, o alemão diz não saber como se recuperou para o quinto. “A verdade é que não sei como encontrei a forma de lidar com a situação. A verdade é que no quarto set fiquei totalmente destruído, me senti extremamente cansado”, revelou Zverev.

Ele estava muito melhor do que eu fisicamente. De repente chegamos no quinto set e de alguma forma encontrei uma maneira para vencer. Claro que sem a energia de toda esta gente, que ficou torcendo até ao fim, teria sido impossível fazê-lo. Este é um dos melhores momentos da minha carreira desde o meu retorno, então veremos o que vem a seguir”, finalizou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE