PLACAR

Orlando Luz elimina top 100 em sua maior vitória

Orlando Luz (Foto: João Pires/Fotojump)

Campinas (SP) – Pela primeira vez em sua carreira profissional, Orlando Luz conseguiu vencer um adversário do top 100. O gaúcho de 25 anos e 437º do ranking superou o argentino Federico Coria, 83º do mundo e principal cabeça de chave do ATP Challenger de Campinas, marcando as parciais de 6/3, 3/6 e 6/3 em 1h49 de partida na quadra de saibro da Sociedade Hípica. O evento distribui US$ 130 mil em prêmios e 100 pontos no ranking ao campeão. O Santander é o patrocinador oficial.

Vindo do quali em Campinas, Orlando Luz está somando 25 pontos no ranking, o que o faz recuperar mais de 50 posições no ranking e voltar ao grupo dos 400 melhores do mundo. Mas seu recorde pessoal é o 272º lugar, alcançado em agosto de 2021. O gaúcho disputou nesta quinta-feira sua sétima partida contra um rival do top 100. Mas este foi seu terceiro duelo com Coria, somando agora duas vitórias em torneios de nível challenger. O triunfo anterior foi ainda em 2015.

“É uma emoção muito grande de quem bateu na trave muitas vezes nos últimos anos para ganhar de um top 100. Não é fácil quebrar barreiras no tênis. Há algumas semanas, perdi para o Cerúndolo por 7/6 no 3º set”, lembrou Luz, sobre o recente duelo contra o argentino Juan Manuel Cerúndolo, então 91º do ranking, no challenger de Santa Cruz.

“Então são dúvidas que fazem a gente pensar. Ali, no fim do 2º set, minha cabeça ‘bugou’ e daí acabei baixando a intensidade. Mas felizmente consegui voltar bem no 3º, sabia que tinha que atacá-lo, variar o jogo e sacar muito bem para deixá-lo desconfortável em quadra”, complementou o ex-número 1 do ranking juvenil.

O próximo adversário de Orlando Luz em Campinas será o italiano Andrea Pellegrino, 191º do ranking, que na última quarta-feira havia vencido o britânico Jan Choinski, campeão no ano passado, por 6/4, 3/6 e 6/3. O confronto com Pellegrino é inédito no circuito.

O set inicial da partida teve apenas uma quebra, conquistada por Luz no sexto game. Ele aproveitou sua única oportunidade em toda a parcial para fazer 4/2. Sacando para fechar, ele escapou de três break-points: Foram duas devoluções erradas por Coria e um excelente drop-shot do brasileiro.

Coria teve excelente desempenho no saque durante o segundo set. Ele não enfrentou break-points e venceu 94% dos pontos quando colocou o primeiro serviço em quadra. O argentino quebrou apenas uma vez, já na reta final da parcial.

A reação de Orlando Luz foi imediata, vencendo 12 pontos em 18 possíveis para já sair vencendo por 3/0 no set decisivo. Coria chegou a devolver a quebra e diminuir a diferença para 3/2, mas voltou a perder o saque na sequência, com devoluções profundas contra o segundo saque do argentino e com mais uma curtinha bem executada. Sacando para o jogo, Orlandinho não correu riscos e definiu a vitória.

José Pereira também avança às quartas
Outro brasileiro nas quartas de final em Campinas será o pernambucano José Pereira. Ele avançou após a desistência do argentino Francisco Comesana por lesão no punho. Comesana estava liderando o primeiro set por 4/3, quando a partida foi suspensa por chuva na última quarta-feira. Havia previsão de retorno nesta quinta, mas a lesão do argentino impediu a continuidade. Atual 592º do ranking, Pereira enfrenta outro argentino, o cabeça 8 Camilo Carabelli.

A 13ª edição do Campeonato Internacional de Tênis é apresentado pelo Santander, por meio da Lei Federal de Incentivo ao Esporte do Ministério do Esporte, e conta com o copatrocínio de EMS Farmacêutica, Esfera, Hospital Vera Cruz, Comgás, Lenovo, Atlas Schindler, Alupar, Taesa, BYD DAHRUJ, Azul Linhas Aéreas – Transportadora Oficial, Trinity, EY, INNI Sports – Bola e Roupa Oficial, Stella Artois Pure Gold, Grupo Placar – Grama Sintética, Aberje, Eletromidia, ESPN e STAR+.

O ATP Challenger de Campinas também reúne o apoio da Sociedade Hípica de Campinas, sede da competição, e integra o calendário mundial ATP Challenger Tour 100. A realização é do Instituto Sports.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE