PLACAR

Murray sai decepcionado com derrota na 2ª rodada

Foto: Simon Bruty/USTA

Nova York (EUA) – Não foi desta vez que o britânico Andy Murray conseguiu ir longe novamente em um Grand Slam. Na última quinta-feira, o ex-número 1 do mundo foi eliminado na segunda rodada do US Open com uma derrota em sets diretos para o búlgaro Grigor Dimitrov. Após o jogo, ele ficou chateado não apenas com o resultado negativo, mas principalmente com o seu desempenho dentro de quadra.

“É obviamente decepcionante não jogar como você gostaria, mas talvez eu precise aceitar que talvez não seja suficiente o que mostrei nos outros torneios em que consegui ir longe. Estou ciente do que estou fazendo, é incrivelmente desafiador jogar no mais alto nível como estou agora. E alguns dias são mais difíceis que outros”, lamentou o escocês.

“Hoje é obviamente uma derrota muito decepcionante e provavelmente por causa da maneira como foi. Lutei bastante, mas não joguei bem o suficiente. Em última análise, estes são os eventos em que você deseja jogar o seu melhor tênis e criar mais grandes momentos e não fizemos isso este ano. No mais alto nível, se você não jogar muito bem, será muito difícil vencer”, acrescentou.

Como positivo, Murray tira o progresso que tem feito no ranking neste ano. “Tive ótimas partidas na Austrália, alguns jogos incríveis no início do ano, como em Doha também. Acho que estive perto de uma boa campanha em Wimbledon. Ainda gosto de tudo o que envolve jogar em alto nível, do trabalho, do treinamento e de tentar melhorar e tentar melhorar. Eu ainda gosto disso e é isso que me faz continuar”.

Uma distensão abdominal atrapalhou sua temporada norte-americana em quadra dura, forçando-o a se retirar no meio do torneio em Toronto e antes do de Cincinnati. Isso desempenhou um papel importante na chance de Murray lutar por uma vaga como cabeça de chave no US Open e quem sabe assim ter um sorteio mais favorável. Porém, ele não usa isso como desculpa.

“Se eu quiser ter bons resultados nesses torneios, terei que enfrentar jogadores como Grigor ou (Stefanos) Tsitsipas ou quem quer que seja. Estes são obviamente os melhores jogadores. Obviamente, ser cabeça de chave os evita cedo, mas para mim é mais uma questão do nível que você coloca lá e do desempenho. Se estou entre os 32 melhores ou não, isso não garante que vou vencer”, finalizou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE