PLACAR

Medvedev admite pressão na volta às quadras duras

Foto: Andrew Eichenholz/ATP Tour

Toronto (Canadá) – Atual número 3 do mundo, o russo Daniil Medvedev não esconde que o piso duro é disparado o seu favorito e por isso tem grande chance de fazer bons resultados na temporada de quadras sintéticas norte-americanas. Em contrapartida, ele reconhece que há uma certa pressão em ir bem nas competições deste período do ano.

“Adoro jogar todos esses torneios, joguei muito bem muitas vezes. Mas é uma pequena pressão porque sei que quero me sair bem aqui. Tenho que lidar com isso e tentar superar essa situação. Sinto que já fiz isso muitas vezes na minha carreira, mas vai acontecer de novo e de novo”, comentou o russo, que estreia no Masters 1000 de Toronto contra o quali italiano Matteo Arnaldi

“Amo este torneio. Lembro-me de jogar bem aqui cinco anos atrás, quando perdi para (Alexander) Zverev (nas oitavas), mas passei pelo quali e venci Felix (Auger-Aliassime). Foi uma partida louca, então boas lembranças tão longe de Toronto”, acrescentou Medvedev, que neste ano já conquistou quatro títulos em quadra dura (Roterdã, Doha, Dubai e Miami).

“Estou muito feliz porque é a minha superfície favorita, então me sinto muito bem nela. Sinto que meu jogo combina muito bem, sinto isso até nos treinos. O que não quer dizer nada, pois você ainda pode perder. De certa forma, é fácil perder, há tantos jogadores que querem ganhar. Mas eu adoro jogar em quadras duras, meu corpo se sente melhor e isso é muito importante”, observou o russo.

Medvedev sente que seu corpo não responde tão bem quando joga no saibro ou na grama. “Provavelmente porque disparo alguns golpes não muito bons ou algo assim. Em quadras duras me sinto muito fluido. Estou muito feliz, então vamos ver como corre”, afirmou o cabeça de chave número 2 em Toronto.

Antes de fazer sua estreia no torneio, o russo chamou atenção ao treinar com o espanhol Carlos Alcaraz no final de semana. “Com certeza, não vamos treinar com muita frequência, porque podemos jogar finais, semifinais e mais duas vezes este ano. Normalmente você não tenta isso todos os dias com seus rivais, mas pode acontecer uma, duas, três vezes por ano. Mas foi ótimo e acho que nós dois gostamos”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE