PLACAR

Krejcikova comemora a semi e recuperação em ano difícil

Foto: Florian Eisele/AELTC

Londres (Inglaterra) – De volta a uma semifinal de Grand Slam depois de três anos, Barbora Krejcikova comemora o momento de recuperação no circuito em uma temporada tão difícil. A tcheca sofreu uma lesão nas costas no começo do ano, que a tirou de Indian Wells e Miami, e chegou a ficar quatro meses sem vencer entre fevereiro e junho. Somente na grama que ela conseguiu voltar ao caminho das vitórias, chegando às quartas em Birmingham antes da semi de Wimbledon.

“É uma temporada muito dura, especialmente com todos problemas de saúde que tive. Passei por um período muito difícil antes deste torneio”, disse Krejcikova, que faz a melhor campanha em Slam desde o título de Roland Garros em 2021. Ex-número 2 do mundo, ela ocupa atualmente o 32º lugar do ranking.

“Sinto que comecei bem o ano, especialmente na Austrália, onde cheguei às quartas de final. Estava indo bem, mas meu corpo me dizia algo diferente. Estou extremamente orgulhosa de nunca ter desistido e de ter conseguido superar tudo isso e novamente jogar um bom tênis”, acrescentou a tcheca de 28 anos.

A classificação para a semifinal veio com a vitória por 6/4 e 7/6 (7-4) sobre a letã Jelena Ostapenko nesta quarta-feira. Foi apenas a terceira vez em oito jogos que ela venceu a rival. “Foi um jogo muito difícil contra a Jelena. Estou extremamente feliz por ter conseguido a vitória hoje. Estar na semifinal é uma grande conquista”.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Eu disse a mim mesma que teria deixar que tudo o que tenho e estou muito feliz por ter feito isso. É um ótimo momento para mim. É um momento inacreditável que estou vivenciando agora na minha carreira no tênis”, complementou a tcheca, que já volta a atuar nesta quinta-feira, por volta das 11h (de Brasília) contra a cazaque Elena Rybakina, número 4 do mundo.

Duelo com Rybakina na semifinal desta quinta-feira

Krejcikova venceu os dois duelos anteriores contra Rybakina, o primeiro na Austrália em 2021 e o segundo na campanha para o título em Ostrava há duas temporadas. No entanto, a tcheca destaca as qualidades da rival jogando na grama. A cazaque foi campeã de Wimbledon em 2022 e tem como principais armas o saque e a potência nos golpes, muito efetivos para esse tipo de piso.

“Já nos enfrentamos algumas algumas vezes, ela é uma grande jogadora e já foi campeã aqui. Obviamente ela conhece bem a quadra e sabe como jogar na grama. É uma adversária perigosa, com ótimos golpes. Mas também tenho bons golpes e espero uma ótima partida”.

3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
JBG
JBG
11 dias atrás

Barbora Krejcikova é igual Karolina Muchova joga muito. Tem muitas variações e armas dentro do jogo. Jogadoras perigosas e altamente completas. Merecido essa volta por cima de tudo que passou, infelizmente Karolina Muchova ficou no R1, recuperando ainda da cirurgia do punho. Parabéns meninas! Jasmine Paolini vs Donna Vekic e Elena Rybakina vs Barbora Krejcikova. Minha favorita ao título Elena Rybakina seria Bi-campeã, mas pode ser qualquer uma aí que o título vai estar em boas mãos. Queria Bia que estivesse aí, mas… Fazer o que.

Flávio
Flávio
11 dias atrás
Responder para  JBG

Verdade.

trackback

[…] tcheca também falou sobre o momento de recuperação na temporada, já que ela teve uma lesão nas costas no início do ano e chegou a ficar quatro meses sem vencer. […]

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Fils vence a grande batalha de Hamburgo em cima de Zverev

Veja como Zheng chegou ao bicampeonato em Palermo

PUBLICIDADE