PLACAR

Jarry tem o forehand mais potente do atual top 20

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Santiago (Chile) – Surpreendente semifinalista do Rio Open e vice-campeão do Brasil Open em 2018, aos 22 anos, o chileno Nicolas Jarry viveu em 2023 a melhor da temporada da carreira, conquistando dois títulos de ATP e alcançando o top 20 do ranking pela primeira vez. Depois de começar o ano como o número 152 do mundo, ele ocupa hoje a 19ª colocação, sua melhor marca.

Mas, além dos ótimos resultados em quadra ao longo do ano, o jogador de 28 anos tem outro motivo para se orgulhar. Com uma média de 131 quilômetros por hora no golpe de direita, ele é o tenista com o forehand mais rápido dentre todos os nomes do atual top 20 do ranking, segundo o Tennis Insights, que utiliza estatísticas oficiais da ATP.

Atrás dele vem o búlgaro Grigor Dimitrov, com média de 128 km/h, seguido de perto por Jannik Sinner, a 127 km/h. Curiosamente, o forehand mais rápido em todo o circuito masculino não pertence a nenhum jogador da elite e aparece como não identificado no estudo, com velocidade média superior a 133 km/h.

Há quem compare, inclusive, a potência do forehand de Nicolas Jarry com a de outro chileno muito famoso pelo mesmo golpe. Vice-campeão olímpico em Pequim-2008, Fernando González é comumente mencionado como o dono de uma das melhores direitas da história do tênis e já foi citado inclusive por jogadores como Roger Federer, David Nalbandian e Holger Rune.

As médias de velocidade do forehand do atual top 20:

Nicolas Jarry: 131 km/h
Grigor Dimitrov: 128 km/h
Jannik Sinner: 127 km/h
Novak Djokovic: 126 km/h
Taylor Fritz: 126 km/h
Carlos Alcaraz: 125 km/h
Ugo Humbert: 125 km/h
Stefanos Tsitsipas: 125 km/h
Ben Shelton: 125 km/h
Karen Khachanov: 124 km/h
Andrey Rublev: 123 km/h
Frances Tiafoe: 123 km/h
Casper Ruud: 123 km/h
Alexander Zverev: 122 km/h
Daniil Medvedev: 121 km/h
Holger Rune: 121 km/h
Cameron Norrie: 119 km/h
Tommy Paul: 118 km/h
Hubert Hurkacz: 118 km/h
Alex de Minaur: 116 km/h

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE