PLACAR

Iga enfim supera Rybakina e conquista o tri em Doha

Foto: Jimmie48/WTA

Doha (Qatar) – Pela primeira vez em mais de duas décadas de torneio, o WTA 1000 de Doha tem uma tricampeã. Iga Swiatek repetiu as conquistas das duas últimas temporadas e ficou com mais um troféu no Qatar. A número 1 do mundo superou na final a cazaque Elena Rybakina, 4ª do ranking, por 7/6 (10-8) e 6/2 em 2h19.

Aos 22 anos, Swiatek conquista seu 18º título na carreira e o primeiro na temporada. A polonesa também chega à sua sétima conquista em torneios WTA 1000, tendo ainda dois vices em Dubai e Madri no ano passado. Ela também se torna a maior vencedora em Doha, deixando para trás as bicampeãs Anastasia Myskina, Maria Sharapova, Victoria Azarenka e Petra Kvitova. Seu histórico de conquistas ainda tem quatro Grand Slam (três Roland Garros e um US Open), além do Finals do ano passado.

A última tenista a vencer três vezes seguidas o mesmo torneio da WTA havia sido Serena Williams, que ganhou três edições de Miami entre 2013 e 2015. Serena, aliás, acumulou oito conquistas naquele torneio ao longo da carreira.

A líder do ranking também vai aumentar a vantagem para Aryna Sabalenka na disputa pelo primeiro lugar da WTA, já que o torneio do ano passado foi de nível 500. Swiatek já acumula 90 semanas como número 1 do mundo. Ela também acaba com uma incômoda sequência de três derrotas seguidas para Rybakina. A cazaque ainda lidera o histórico de confrontos, agora por 3 a 2.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Já a vice-campeã Elena Rybakina tentava conquistar seu terceiro título da temporada, depois de ter vencido o WTA 500 de Brisbane em janeiro e de Abu Dhabi na semana passada e vinha de oito vitórias seguidas. A cazaque de 24 anos tem sete títulos no circuito da WTA, com destaque para Wimbledon em 2022, e disputou outras dez finais. Tanto ela quanto Swiatek seguirão para o WTA 1000 de Dubai na próxima semana.

Em um dia de muito vento em quadra, como já havia acontecido na final de duplas, era difícil sacar para quem estava à esquerda da cadeira da árbitra. Rybakina começou em vantagem e chegou a liderar o set inicial por 4/1 com duas quebras de vantagem. Ela vinha explorando um ponto mais fraco no jogo da polonesa, seu segundo serviço, e assim colocava a rival na defensiva, mais afastada da linha de base, e comandava os pontos com o forehand.

Um incidente incomum acabou mudando um pouco da história do jogo. Rybakina sofreu um corte na perna ao executar a terminação de um golpe e precisou de um longo atendimento médico para estancar o sangramento e fazer um curativo. Nesse tempo, Swiatek conversou com o técnico Tomasz Wiktorowski e fez mudanças em seu jogo. Tirou um pouco spin do forehand e passou a jogar um pouco mais reto e também cuidou melhor dos games de saque. A polonesa fez quatro games seguidos e virou o placar para 5/4.

A reta final do primeiro set foi marcada por muito equilíbrio e a definição ficou para o tiebreak, Swiatek chegou a salvar um set-point com winner de backhand na paralela e também e precisou de quatro chances até definir a parcial, explorando uma subida de Rybakina à rede. Ela fez 14 a 11 nos winners da parcial e cometeu 28 erros contra 25 após 1h30 de set.

Em vantagem no placar, Swiatek ganhou confiança durante o segundo set. Apesar de ter enfrentado dois break-points no início da parcial, a número 1 do mundo conseguiu manter o saque e quebrou na sequência. Ela abriu vantagem e ainda voltou a quebrar para fazer 5/2 no placar e definir a disputa em seu serviço. A polonesa liderou a estatística de winners por 21 a 15 e cometeu 37 erros contra 41 da cazaque.

6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Marcus Tabosa
Marcus Tabosa
1 mês atrás

Achei que só pereba acertasse a canela depois de um saque. Rybanika conseguiu a proeza e depois disto o jogo mudou para o lado da Iga

Luciana
Luciana
1 mês atrás

O segundo serviço da Iga é o seu ponto fraco? Que informação equivocada.

Leo, o realista
Leo, o realista
1 mês atrás
Responder para  Luciana

O texto diz o ponto mais fraco dela… Qual você considera então?
Eu diria que concordo com o texto. O saque, em especial o segundo é o seu ponto vulnerável. Mas como ela possui ótimo jogo de base, ela consegue bons indices de pontos de segundo serviço.

Viviane
Viviane
1 mês atrás

Ótimo primeiro set, depois Rybakina parece ter sentido a maratona de jogos e cansou. Como a Iga não tem nada a ver com isso, foi pra cima e levou o jogo. Ansiosa por mais confrontos entre as duas, que são minhas jogadoras favoritas!

Fernando Venezian
Fernando Venezian
1 mês atrás

Somente o vento e o saibro pra desequilibrarem essa partida. Sem esses fatores, a Elena se sente bem à vontade contra a polonesa. Mas faz parte! Sorte da Iga!

Luis Ricardo
Luis Ricardo
1 mês atrás

lindo ver um jogo sem gritarias detestaveis , tipo sabalenka ou azarenka ,

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da rápida final masculina de Miami

Collins segura os nervos e bate Rybakina: veja o melhor da final

PUBLICIDADE