PLACAR

Djokovic: ‘Sei o que preciso para estar bem em decisões’

Foto: Simon Bruty/USTA

Nova York (EUA) – Acostumado a chegar em fases decisivas nos principais torneios e carregando uma longa experiência de sua carreira vitoriosa no circuito, Novak Djokovic se especializou em saber como administrar as energias nas fases iniciais para chegar às rodadas finais nas melhores condições. É isso que possibilita ao sérvio, de 36 anos e vencedor de 23 títulos de Grand Slam, seguir lutando por novas conquistas.

“Aos 36 anos, depois de 20 anos vindo para Nova York, ainda tenho vontade de jogar meu melhor tênis nesta quadra”, disse Djokovic, depois de garantir vaga na terceira rodada do US Open. “Tenho experiência e entendimento do que precisa ser feito nos momentos importantes. Preservando a energia e focando no momento presente”.

O tricampeão do torneio saiu de quadra bastante satisfeito com o nível de tênis apresentado nesta quarta-feira, quando superou o espanhol Bernabe Zapata, 76º do ranking, por 6/4 e 6/1 e 6/1. “Ele começou sólido. Tivemos alguns ralis longos e precisávamos ir à toalha basicamente depois de cada ponto, então foi um set que exigiu um pouco mais de tempo e esforço. Mas uma quebra foi o suficiente”.

“Depois disso, no segundo set, joguei muito bem. Já no início do terceiro, tivemos alguns games longos, mas terminei a partida jogando muito bem. Estou muito satisfeito com a maneira como estou me sentindo em quadra”, acrescentou o sérvio, que voltará à liderança do ranking após o US Open.

Djokovic terá na terceira rodada um duelo sérvio contra Laslo Djere, de 28 anos e 38º do ranking, que venceu o francês Hugo Gaston por 6/1, 6/2 e 6/3. O único duelo anterior foi disputado no ano passado, em Belgrado, e com vitória do multicampeão de Grand Slam. “Ele está em muito boa forma. É ótimo para o tênis sérvio termos um confronto na terceira rodada. É certo que um de nós estará nas oitavas, o que é ótimo para o nosso tênis”.

“O saibro é o piso favorito dele. Mas como eu disse, ele está melhorando na quadra dura também. Aqui, as quadras duras estão um pouco mais lentas, então acho que isso é favorável ao jogo dele. Desejo a ele tudo de bom, exceto na próxima partida”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Alcaraz e Murray: treino entre campeões em Queen's

Os melhores lances da campeã Boulter na grama de Nottingham

PUBLICIDADE