PLACAR

Djokovic: ‘Nova geração desperta fera em mim’

Nova York (EUA) – A longa entrevista dada por Novak Djokovic ao famoso ’60 Minutes’ da rede norte-americana CBS trouxe outras passagens muito curiosas. Entrevistado pelo jornalista Jon Wertheim, o número 1 do mundo falou sobre como é competir contra a nova geração e detalhou curiosas passagens sobre a troca de olhares durante uma partida.

Questionado sobre o fato de estar derrotando jogadores bons e muito mais jovens, alguns quase com a metade de sua idade, Wertheim quis saber o tamanho de sua satisfação nesses momentos. “Não sei se isso soa bem, mas o fato desses garotos estarem famintos e muito inspirados quando jogam contra mim acaba sendo uma motivação adicional”. E enfatizou: “Acho que isso desperta uma fera em mim”, dando um sorriso.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Em outro ponto da entrevista, Djokovic fala como é possível tirar informações sobre o estado emocional do adversário e que isso geralmente acontece através de pequenos sinais. “Apesar de o tênis não ser um esporte de contato, existe muito contato visual”, contou ele. “Quando trocamos de lado e nos sentamos em nossos bancos, o telão mostra a forma com que o adversário está tomando sua água. E eu fico observando… Será que está suando mais do que o normal? Será que está ofegante?”.

Wertheim mostra surpresa com esse tipo de situação e enfatiza: “Uau, e você está tirando esse tipo de informação durante o jogo?”. E o número 1 confirma. “Exatamente. Será que ele está respirando profundamente ou não? Então tento ver como ele está se comunicando com seu time. Enfim, você tem todo esse tipo diferente de elementos que estão em jogo e podem realmente afetar a performance durante uma partida”.

Leia também

Djokovic fala do Big 3, vacina e mental no ’60 Minutes’

6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Leonardo
Leonardo
2 meses atrás

Interessante o comentario “desperta a fera em mim”. Um atleta de alto nivel em algum momento de sua carreira começa a ficar obsoleto, seja por lesões, por condição fisica, por perder velocidade, explosão, mesmo motivação e por estar sendo superado pelos mais jovens. Mas duvido que algum jogador, especialmente os grandes, querem se sentir ultrapassados. Djokovic além de ser o goat, ainda está em excelente forma, sem contusões aparentes, e ainda consegue manter o alto nivel, combinando a tecnica, o mental e o fisico. Cada ano deve ser mais dificil manter a forma e a resistencia necessarias para jogar o calendario com o sucesso que ele joga. Então ele vai buscar a “fera” dentro dele para se manter no topo. Uma hora o corpo não vai mais permitir essa performance, mas enquanto isso, super natural a sua reação.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
2 meses atrás

O Djokovic já declarou que enquanto estiver saudável e conseguindo fazer frente aos jogadores da nova geração, estará motivado a continuar a carreira. Teve muitos que apostaram que ele ia ter uma queda de produção após a derrota na final de Wimbledon/2023, mas o que se viu foi o campeão de Wimbledon tendo essa queda de rendimento e o Djokovic ganhando a maioria dos torneios que disputou e batendo alguns recordes que eram inimagináveis até pouco tempo atrás. Para 2024, novamente, tem muitos que apostam que será o ano em que o Djokovic começará a ser dominado pela nova geração. Eu, particularmente, acredito que 2024 tem dois objetivos principais que farão com que o sérvio se mantenha motivado que são o 25º grand slam e a medalha de ouro olímpica e um terceiro objetivo, talvez, improvável e muito difícil, ganhar os quatro grand slam na mesma temporada. Vamos ver o que acontece.

Daniel Neto
Daniel Neto
2 meses atrás

Talvez isso explique os chiliques que ele dá durante o jogo e a forma como ele “morre” durante um determinado período da partida, quando joga com alguém que ofereça resistência.
Tudo encenação, para mexer com o psicológico do adversário. Não gosto de ver isso, mas no final das contas, ganha o jogo e não é contra a regra.

Jonatas
Jonatas
2 meses atrás
Responder para  Daniel Neto

Chora mais que tá pouco. O cara tem 36 anos, seu jogo é num nível físico altíssimo e se ele demonstra que está cansado é “migué” pra abalar o psicológico do adversário? Kkkkkkkkk
Cada comentário de haters do sérvio que chega ser comico

Jonas
Jonas
2 meses atrás
Responder para  Daniel Neto

Cara, esse “morrer” durante as partidas nem sempre é forçado. Pode ser sim que ele já tenha milongado em alguns jogos (como se fosse o único), mas em casos recentes como no Finals contra o Medvedev, ele estava mesmo sofrendo com algo físico, acontece muito contra o Russo inclusive pelo estilo de jogo.
E sobre os chiliques aí concordo contigo, isso mostra o quanto ele é competitivo e está determinado a vencer. É algo que o ajuda, melhor do que ficar lá com cara de paisagem.

Jonas
Jonas
2 meses atrás

Tá aí, foi o que eu postei após a derrota dele pro Alcaraz em Wimbledon, esse tipo de derrota é “boa” para o sérvio, pois é disso que ele se alimenta. Quanto mais forte e genial é o adversário, mais Djokovic o estuda e acha um caminho. Muitos falaram em passagem de guarda, declínio etc, mas a verdade é que ainda não chegou esse momento.
Claro que uma hora vai chegar e acho que vai ficar nítido, como ficou quando ele baixou o nível no primeiro semestre de 2018. Mas hoje, hoje, o sérvio está muito completo e em plena forma. Vai chegar muito motivado pra 2024, ainda mais com a subida de nível do Sinner, mas veremos… não acho que vai ganhar todos os Slams ou algo assim, mas ainda tem lenha pra ganhar muita coisa de peso ano que vem.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE