PLACAR

Djokovic mira os 4 Slam e ouro olímpico em 2024

Foto: Corinne Dubreuil/ATP Tour

Turim (Itália) – Detentor de uma série de recordes na história, Novak Djokovic garante que não lhe falta motivação para querer ainda mais. E para 2024, o sérvio mira dois feitos inéditos em sua vitoriosa carreira: Vencer os quatro Grand Slam da temporada e também ser medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de Paris. Após a conquistar o ATP Finals pela sétima vez na carreira e se tornar o maior campeão na história do torneio, o número 1 do mundo falou sobre os objetivos para a próxima temporada.

Djokovic venceu 55 dos 61 jogos que fez na temporada, venceu três Grand Slam para alcançar a marca de 24 conquistas em torneios deste porte e somou mais sete títulos no circuito, chegando ao 98º neste domingo. Perguntado na coletiva de imprensa se poderá ter um 2024 melhor, ele afirmou: “Bem, é possível ganhar os quatro Slams e o ouro olímpico… Vamos ver. Sempre tive as maiores ambições e objetivos. Isso não vai ser diferente no próximo ano. A motivação que tenho continua. Meu corpo tem me servido bem, me ouvindo bem. Tenho uma grande equipe de pessoas ao meu redor”.

O sérvio, que inicia na próxima segunda-feira sua semana de número 400 na liderança do ranking da ATP, completará 37 anos em maio. Ele tem feito calendários mais enxutos nas últimas temporadas, projetando atingir seu melhor nível já nos grandes torneios, mas se sente em plenas condições de enfrentar os adversários bem mais jovens. “A motivação, principalmente para os maiores torneios, ainda está presente e ainda me inspira a continuar. A mentalidade é a mesma”.

“As pessoas sempre me veem atuando nos grandes torneios, mas não acompanham todas as semanas e meses de trabalho dia a dia, semana a semana, tentando ficar em forma para atingir o pico nos Grand Slams, no Finals, e no próximo ano espero que também os Jogos Olímpicos. Não sei se terei um ano tão bom no próximo ano, mas vou manter esse frescor de espírito e de certa forma motivação para faça isso”, ponderou o líder do ranking, após a vitória sobre o italiano Jannik Sinner, número 4 do mundo, por duplo 6/3 neste domingo.

Vantagem psicológica sobre os rivais
Por toda sua experiência nos grandes palcos, Djokovic acredita que consegue entrar nesses jogos em vantagem psicológica contra a maioria dos adversários. Ele conseguiu na decisão em Turim uma revanche contra Sinner, para quem havia perdido na última terça, durante a fase de grupos. “Quando eles jogarem comigo, quero que sintam que será necessário o melhor tênis deles para me vencerem. É isso que quero que os meus adversários sintam, sem dúvida, porque isso me ajuda mentalmente a entrar no jogo”.

“Acho que quanto mais eu ganho nos maiores palco, mais esse tipo de aura cresce, e estou feliz por isso, sem dúvida. Dá uma pequena vantagem. Enquanto eu for capaz de vencê-los nos grandes palcos, continuarei em frente. Se eles começarem a passar por cima, posso fazer uma pequena pausa ou talvez uma pausa permanente no tênis profissional. Mas por que parar se você ainda está ganhando os maiores torneios?”

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Toda a comemoração de Alcaraz na conquista de Roland Garros

Jannik Sinner é o 29º homem a liderar o ranking profissional

PUBLICIDADE