PLACAR

Dimitrov bate Rune e enfrenta Sinner nas quartas

Pequim (China) – A interminável má fase do dinamarquês Holger Rune teve mais um capítulo neste domingo. Depois de enfim interromper a dura sequência de sete derrotas desde Wimbledon, o número 4 do ranking não suportou as variações de ritmo do búlgaro Grigor Dimitrov e parou na segunda rodada do ATP 500 de Pequim. Em ótimo dia, o veterano Dimitrov marcou 6/3 e 7/5.

Com isso, haverá outro duelo de gerações para o búlgaro, agora diante do italiano Jannik Sinner. Com enorme facilidade, o cabeça 6 despachou o japonês Yoshihito Nishioka na manhã deste domingo, anotando as parciais de 6/2 e 6/0. Quem vencer a partida pode encarar Carlos Alcaraz na semifinal. O cabeça 1 enfrentará Casper Ruud.

Dimitrov encaixou 60% do primeiro saque, fez cinco aces e ganhou 26 desses 33 pontos. Rune por sua vez oscilou demais e ofereceu nada menos que 11 break-points, dos quais o búlgaro aproveitou quatro. Embora o dinamarquês tenha feito mais winners (23 a 18), cometeu muito mais erros (16 a 6).

Com duas quebras consecutivas na abertura da partida, Dimitrov chegou a ter 4/0. O cabeça 3 reagiu no sexto game e encostou no placar, mas deixou escapar um break-point crucial no oitavo game que poderia ter lhe dado o empate em seguida. Ao contrário, sacou pressionado e não evitou a perda do set.

A outra série mostrou enfim domínio dos sacadores, com apenas dois games mais disputados, antes que Rune outra vez sentisse o peso do 5/6 e oferecesse 0-40. Ainda se salvou nas duas primeiras tentativas, mas não foi o bastante.

Número 19 do ranking, Dimitrov fará seu terceiro duelo diante de Sinner, tendo vencido no saibro de Roma em 2020 e perdido em março deste ano em Miami. O italiano, que vinha de estreia dura, não deu chance ao canhoto Nishioka e atinge as quartas pela 12ª vez na temporada. “Me senti doente nos meus primeiros dias na China, mas agora me sinto fisicamente muito melhor. Talvez precise sacar mais”, contou Sinner., que soma agora 46 vitórias desde janeiro.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE