PLACAR

Carolina Bohrer, de 16 anos, é convidada para 125 de Florianópolis

Carolina Bohrer (Foto: Manuel Queimadelos/ITF)

Florianópolis (SC) – Depois de se destacar na Billie Jean King Cup Junior, na semana passada na Espanha, a catarinense de 16 anos recebeu convite para a chave principal do WTA 125 de Florianópolis, que será disputado na próxima semana, entre os dias 19 e 26 de novembro, na Super 9 Tennis Park, no Jurerê Sports Center.

Apesar da pouca idade, a tenista que treina nos Estados Unidos desde 2018, já soma vitórias em torneios profissionais. Ela é a 894ª colocada no ranking da WTA, mas figura entre as 20 melhores do circuito profissional entre as atletas até 16 anos.

“Estou muito feliz por receber esse convite para um torneio muito importante e grande como esse. É uma oportunidade incrível e eu estou muito animada e pronta pra competir e dar o meu melhor. Estou feliz que seja em Floripa. A minha família vai poder ir me assistir e torcer”, disse Bohrer, que disputará o maior torneio da carreira.

Na semana passada, durante a Billie Jean King Cup junior, a catarinense venceu três dos seis jogos de simples que disputou, além de conseguir duas vitórias nas duplas, ao lado da gaúcha Pietra Rivoli. O Brasil chegou às quartas de final, conseguindo a melhor campanha desde o quinto lugar em 2013. “Foi uma experiência incrível pra mim e joguei super bem”, apontou.

O Brasil terá agora na chave principal de simples a paulistana Laura Pigossi, a campineira Carolina Meligeni Alves e Carolina Bohrer. Nas duplas Ingrid Martins e Pigossi jogarão juntas. O evento terá nomes como a australiana Ajla Tomljanovic, a experiente italiana Sara Errani, a top 40 norte-americana Emma Navarro e jovens promessas como a croata Petra Marcinko, a tcheca Sara Bejlek e a russa Daiana Shnaider.

“Um dos pilares do evento é reforçar o tênis feminino brasileiro que vem em uma crescente. Muito legal poder contar com nomes como a Ingrid Martins jogando ao lado de Laura Pigossi, a Carol Meligeni e agora a jovem catarinense Carolina Bohrer”, disse Lúzio Ramos, diretor do torneio. “Jogar em casa, com a torcida a favor, poderá fazer uma diferença para essas meninas desempenharem um grande tênis e conquistarem resultados importantes para suas carreiras aqui”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE