PLACAR

Cabal, Farah, Sock e Vandeweghe se despedem do tênis

Foto: Manuela Davies/USTA

Nova York (EUA) – Com o início das disputas na chave de duplas do US Open, alguns veteranos do circuito aproveitaram para fazer seus jogos de despedida. Foi o caso da forte parceria colombiana de Robert Farah e Juan Sebastian Cabal, além de dois tenistas da casa, Jack Sock e Coco Vandeweghe.

Farah, 36 anos, e Cabal, de 37, chegaram à segunda rodada do US Open. Eles venceram na estreia os jovens norte-americanos Ethan Quinn e Nicholas Godsick por 6/4, 2/6 e 6/3. Mas na sequência, foram superados pelo holandês Wesley Koolhof e o britânico Neal Skupski por 7/6 (7-2), 1/6 e 6/3.

“Tivemos muita sorte de ganhar dois títulos de Grand Slam. Isso é resultado de muita disciplina e de nos desafiarmos todos os dias para melhorar”, disse Farah, que é campeão de Wimbledon e do US Open ao lado de Cabal em 2019. Ambos lideraram o ranking de duplas. “Decidimos completar o nosso ciclo no tênis: Não é fácil, mas agora queremos priorizar coisas novas em nossas vidas”.

Cabal acrescentou: “Nos últimos dois anos não tivemos uma única semana em que ambos estivéssemos fisicamente saudáveis. E embora o esporte esteja no nosso sangue, o desgaste é produto de uma longa carreira. Começamos a analisar e dissemos: ‘2023 será o último ano’. Agora só temos a agradecer ao mundo do tênis, à vida e a Deus. Tivemos muitas experiências. Estamos muito felizes e em paz porque demos tudo de nós”.

Já Sock, de 30 anos, foi top 10 de simples e duplas. Jogando ao lado de John Isner, que também está se despedindo neste US Open, ele foi eliminado na estreia pelo francês Albano Olivetti e o norte-americano Robert Galloway por 6/2, 3/6 e 7/6 (7-3). Ele também jogou duplas mistas, com Coco Gauff, mas foi eliminado com derrota para Alycia Parks e Dennis Kudla por 6/2 e 7/6 (7-2). Sock tem três títulos de Grand Slam nas duplas, incluindo o US Open de 2018 com Mike Bryan.

A despedida de Coco Vandeweghe foi nas duplas, ao lado de Sofia Kenin. As norte-americanas perderam para a espanhola Cristina Bucsa e a russa Alexandra Panova por 7/6 (9-7) e 6/4. Ela também havia tentado o quali em Nova York, mas perdeu da alemã Eva Lys por 6/0 e 6/2. A jogadora de 31 anos foi semifinalista de dois Grand Slam de simples em 2017, Australian Open e US Open, chegando ao top 10. Ela também foi campeã de duplas em Nova York em 2018, com a australiana Ashleigh Barty.

Por mais de quatro anos, Vandeweghe, lutou contra uma série de lesões e problemas de saúde, incluindo um diagnóstico de síndrome de dor regional complexa e um acidente doméstico que exigiu uma cirurgia reconstrutiva em um dedo. Ela não está classificada entre as 100 melhores desde fevereiro de 2019. No ano passado, quando tentou voltar a jogar, alcançou no máximo a 121ª posição.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE