PLACAR

Badosa volta a sentir lesão e não joga em Indian Wells

Foto: WTA Thailand Open

Indian Wells (EUA) – Pela terceira vez neste início de temporada, Paula Badosa precisou se retirar de um torneio por conta de sua recorrente lesão nas costas, o mesmo problema que já a tirou do WTA 1000 de Dubai e do 250 de Hua Hin no mês passado. A espanhola não poderá jogar o WTA 1000 de Indian Wells, torneio que conquistou em 2021.

Badosa passou todo o segundo semestre de 2023 afastada do circuito por lesão nas costas e retornou às quadras no início do ano em Adelaide, para seu primeiro torneio desde Wimbledon. Ex-número 2 do mundo, a jogadora de 26 anos acumula quatro vitórias e cinco derrotas na temporada e aparece atualmente no 76º lugar do ranking.

A vaga de Badosa na chave principal será ocupada pela argentina Nadia Podoroska, que entra como lucky-loser. Ela estreia ainda nesta quarta-feira contra a norte-americana Ashlyn Krueger. A vencedora desafia a cazaque Elena Rybakina, número 4 do mundo.

Espanhola participou de exibição na última terça
Na última terça-feira, a espanhola chegou a participar da exibição Tiebreak Tens ao lado do grego Stefanos Tsitsipas. A dupla bateu a parceria polonesa de Iga Swiatek e Hubert Hurkacz por 10-2 e também venceu o norte-americano Frances Tiafoe e a chinesa Qinwen Zheng por 10-3. O título da competição amistosa ficou com a dupla da casa, de Emma Navarro e Ben Shelton, que venceram Badosa e Tsitsipas por 10-8.

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Nurse Claudino
1 mês atrás

É evidente que lesões são uma parte desafiadora do esporte, e ver uma jogadora talentosa como Badosa enfrentar isso repetidamente é doloroso para os fãs. No entanto, essa adversidade também destaca a importância da saúde e do bem-estar dos atletas. Talvez este seja um momento para reflexão sobre como o calendário de competições e os cuidados médicos podem ser aprimorados para garantir a longevidade das carreiras esportivas. Enquanto isso, a oportunidade para Podoroska brilhar demonstra a imprevisibilidade e a emocionante competitividade do circuito. Que Badosa encontre o apoio necessário para sua recuperação, e que sua história inspire mudanças positivas no mundo do tênis.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da rápida final masculina de Miami

Collins segura os nervos e bate Rybakina: veja o melhor da final

PUBLICIDADE