PLACAR

Badosa sofre lesão no adutor e Sabalenka vai às quartas

Foto: Porsche Tennis Grand Prix

Stuttgart (Alemanha) – Em um dia de jogos muito longos pelo WTA 500 de Stuttgart, o duelo entre as grandes amigas Paula Badosa e Aryna Sabalenka precisou ser abreviado por conta de uma lesão da espanhola. Badosa sentiu um desconforto no adutor da coxa esquerda e se retirou da disputa quando o terceiro set estava empatado por 3/3. Sabalenka havia vencido a primeira parcial por 7/6 (7-4) e perdido o segundo por 6/4. O jogo teve 2h20 de duração.

Finalista de Stuttgart nos últimos três anos, Sabalenka ainda busca um título inédito no torneio em quadras de saibro e em estádio coberto. Curiosamente, a bielorrussa havia derrotado Badosa nas duas últimas edições do evento, pela semifinal de 2022 e nas quartas do ano passado. Já a espanhola, ex-número 2 do ranking e atual 96ª colocada, ficou quase todo o segundo semestre de 2023 afastada por lesão nas costas. E agora volta a lutar com um problema físico.

“Não tenho muitas emoções, não estou feliz ou triste, mas me sinto muito mal por ela. Eu amo essa garota. Só tenho a agradecer ao público que ficou até o final do jogo. Espero que todos possam descansar e estar bem amanhã”, disse Sabalenka, na entrevista em quadra, após a partida que terminou depois de 1h da manhã pelo horário local. “Felizmente amanhã eu não jogo e terei tempo para me recuperar e espero jogar melhor na sexta-feira”.

A adversária de Sabalenka nas quartas pode ser a tcheca Marketa Vondrousova, número 8 do mundo e atual campeã de Wimbledon, ou a russa Anastasia Potapova, 36ª do ranking, que se enfrentam nesta quinta-feira às 9h (de Brasília) na quadra 1 do complexo.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Em uma primeira parcial com mais de uma hora de duração e apenas uma quebra para cada lado, nas rápidas condições de Stuttgart, Badosa chegou a liderar por 4/2, mas logo permitiu o empate. A espanhola teve dois set-points quando liderava por 6/5, mas Sabalenka se salvou com um ótimo saque no T e também por jogado de forma agressiva na segunda oportunidade.

O tiebreak também começou melhor para Badosa, que saiu vencendo por 3-1 depois de um erro de forehand da bielorrussa. Mas Sabalenka igualou a disputa depois de uma ótima devolução e de vencer uma disputa na rede. A bicampeã do Australian Open passou à frente no placar depois de uma bola que tocou na fita e chegou a liderar por 5-3. Depois disso, confirmou seus dois serviços e venceu o set.

Logo na abertura da segunda parcial, Badosa conseguiu uma quebra de serviço. E a espanhola chegou a ampliar a vantagem para 5/2. Ela perdeu a primeira chance de sacar para fechar. E pouco depois, pediu atendimento fora de quadra para um desconforto no adutor da perna esquerda. Na volta, Sabalenka diminuiu a diferença para 5/4, mas Badosa conseguiu fechar o set no saque.

O bom momento de Badosa na partida continuou no terceiro set. Ela voltou a quebrar para fazer 3/1 e Sabalenka descontou a frustração na raquete. Mas a número 2 do mundo conseguiu devolver a quebra e buscar o empate, diante da limitação física cada vez mais aparente da espanhola. Logo na sequência, Badosa decidiu se retirar da partida, chorando muito. Ela foi consolada pela amiga ainda em quadra e foi aplaudida pelo público que ficou até o fim. Sabalenka liderou nos winners por 40 a 23 e cometeu 37 erros contra 19. O jogo teve sete quebras, 4 a 3 para Badosa, e 20 break-points disputados.

 

4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
João Sawao ando
João Sawao ando
1 mês atrás

Que pena para badosa

Lucas Miranda Faria
Lucas Miranda Faria
1 mês atrás

Uma verdadeira amizade consola tudo!!!!!

Luiz Correia
Luiz Correia
1 mês atrás

Essa Badosa não dá conta de jogar um mês sem ter lesão. Aí fica difícil.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
1 mês atrás

Por algum motivo na vida existem pessoas que carregam um fardo mais pesado do que outras pessoas. No caso do esporte, tem atletas que acabam sofrendo mais lesões que outros atletas como por exemplo, no feminino, a Karolina Muchova e agora a Paula Badosa. Vou torcer para que todas mantenham a tranquilidade, a fé e a paciência, porque tudo na vida passa e logo elas estarão de volta para fazerem o que amam. Porém, a gente sabe que é bem difícil passar por essas fases.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE