PLACAR

Após nova derrota, Schwartzman repensa a carreira

Diego Schwartzman (Foto: Ezequiel Sambresqui/IEB+ Argentina Open)

Buenos Aires (Argentina) – Em mais uma queda precoce, o argentino Diego Schwartzman conheceu a sua 26ª eliminação em estreias nos últimos 41 torneios em que disputou a chave principal, incluindo um challenger no ano passado. Desta vez, o jogador de 31 anos foi superado de virada pelo colombiano Daniel Galán na abertura do ATP 250 de Buenos Aires, caindo com o placar de 2/6, 6/1 e 6/4.

Com isso, “El Peque” sai pela segunda temporada consecutiva sem ganhar um único jogo na gira caseira de saibro, tendo perdido seus primeiros jogos em Córdoba e Buenos Aires tanto em 2023 quanto agora em 2024. A fase do ex-número 8 do mundo é tão ruim que ele sequer conseguiu vaga em Brisbane e no Australian Open deste ano, caindo ainda no qualificatório de ambos os eventos.

Diante de mais uma decepção, Schwartzman admitiu em coletiva de imprensa que se a situação não mudar ele pode abandonar a carreira. “Perder assim traz uma mistura de tristeza e raiva. É um torneio onde já me saí muito bem e perder dois anos consecutivos na primeira fase é decepcionante. Veremos até onde posso ir dessa forma. Este ano eu estava animado, mas é difícil. Resta muito pouco combustível. Vamos ver se nos próximos meses consigo encontrar soluções. Se nada mudar, veremos”, disse o argentino.

Apesar de reconhecer a má fase, o tenista diz que não entende os motivos de não encontrar mais os resultado positivos. “Juro que não sei, senão talvez não estivesse nessa situação. É uma combinação de tudo. No momentos em que o físico precisa buscar alguma bola, ele não está buscando, quando eu tenho que jogar com um pouco mais de força para incomodar o adversário, não está saindo. É como se em determinados momentos do jogo aparecessem questões diferentes que me fazem mal”, explica.

Ainda durante a conversa com os jornalistas, Schwartzman revelou que a vontade de continuar competindo está cada vez menor. “A verdade é que muito pouco. Não sei, às vezes é um pouco mais fácil poder dar uma resposta quando se misturam bons e maus resultados, mas esse não é o caso. Perder novamente na primeira fase para rivais que eu poderia ter chances de vencer é um pouco difícil para mim. Se bons resultados não começarem a aparecer, isso vai me custar caro”, reforçou.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Já nesta quarta-feira, o jogador postou um texto em que agradeceu todas as pessoas que lhe têm apoiado neste momento complicado da carreira, e, mais uma vez, sugeriu que tentará se dar uma última chance antes de deixar o tênis.

“É difícil descrever o momento esportivo que estou vivendo. As semanas passam e as respostas em quadra não aparecem. Desde pequeno fui ensinado a levantar a cabeça e continuar tentando. Com humildade, trabalho duro, educação e respeito, continuarei nessa busca. E se não der certo, poderei olhar para trás e ficar mais do que satisfeito com o que conquistei e com as pessoas que sempre tive ao meu lado, que me fizeram um grande atleta e são pessoas incríveis”.

Atualmente na 116ª do posição do ranking, Schwartzman chegou ao top 10 em 2020, naquela que foi a melhor temporada de sua carreira. Apesar de não ter conquistado títulos, ele foi finalista no Masters 1000 de Roma e chegou à semifinal de Roland Garros nas semanas seguintes. Tais resultados lhe ajudaram a se classificar pela primeira e única vez ao ATP Finals, disputado pela última vez em Londres antes de ser transferido para Turim.

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Henrique Max
Henrique Max
2 meses atrás

Jogador que depende muito do físico e psicológico. Já que o saque não ajuda tanto…

Carlos
Carlos
2 meses atrás

Depois do ocorrido com o pai dele em Abril de 2022, assalto violento, correndo risco de vida , depois daquele incidente eu peque perdeu estímulo pelo tênis ..

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da decisão em Monte Carlo

Medvedev em outro ataque de fúria e desconta na raquete

PUBLICIDADE