PLACAR

Alcaraz reage contra Sinner e vai em busca do bi

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Indian Wells (EUA) – Depois de um primeiro set tenebroso, em que foi totalmente dominado pelo adversário, o espanhol Carlos Alcaraz calibrou seus golpes e obteve a ofensividade necessária para derrubar o até então invicto Jannik Sinner, ganhando o direito de lutar neste domingo pelo bicampeonato do Masters 1000 de Indian Wells. Em jogo que também valia o número 2 do ranking, Alcaraz marcou 1/6, 6/3 e 6/2, em duelo que teve 2h04 de ação e mais três de espera no vestiário até que a chuva passasse.

Alcaraz repete a vitória sobre Sinner na semifinal do ano passado e se recupera das duas derrotas consecutivas que sofreu depois, nas semis de Miami e de Pequim. Com isso, o placar geral entre as duas novas sensações do tênis masculino fica rigidamente empatado por 4 a 4. Em caso de derrota, o espanhol sairia do top 2 do ranking pela primeira vez desde que conquistou o US Open em setembro de 2022.

A decisão do título neste domingo será contra o vencedor da partida entre o russo Daniil Medvedev e o norte-americano Tommy Paul. O espanhol venceu três dos cinco duelos contra Medvedev, incluindo a final do ano passado em Indian Wells por fulminantes 6/3 e 6/2, e empata por 2 a 2 com Paul, todos sobre quadra dura. Alcaraz fará sua sexta final de nível Masters 1000, o que já iguala os currículos de seu técnico Juan Carlos Ferrero e de Carlos Moyá, ficando atrás dos 53 de Rafael Nadal e dos 7 de David Ferrer entre os espanhóis, e busca o quinto título.

Sinner por sua vez viu o fim de sua boa série invicta de 19 partidas, que vinham desde a Copa Davis do ano passado, sendo 16 delas nesta temporada, incluindo a conquista do Australian Open. Ele passou a sentir limitações físicas na panturrilha da perna esquerda já no começo do terceiro set.

Duelo de lances espetaculares
Depois de dar um show de bom comportamento – conversaram antes de entrar em quadra e saíram juntos nas duas interrupções por mau tempo -, os dois conseguiram completar apenas três games antes de longa paralisação por três horas. No retorno, Alcaraz parecia completamente descalibrado, somando erro atrás de erro, enquanto Sinner mostrava enorme força e competência em todos os cantos da quadra.

O segundo set enfim mostrou um espanhol mais calmo, com distribuição adequada de golpes e com a agressividade necessária. Foi sem dúvida o grande momento do duelo, já que os dois protagonizaram pontos espetaculares em que esbanjaram velocidade, precisão e improviso. Alcaraz enfim obteve a quebra no quarto game e ganhou muita confiança. Isso permitiu sobreviver a dois apertos, tanto no sétimo como no nono games, em que poderia ter permitido reação. O segundo break-point foi evitado com uma incrível paralela de backhand.

O terceiro set já mostrou um Sinner avariado na parte física. O italiano colocava a mão na panturrilha e perdia tanto deslocamento lateral como base ideal para desferir seus golpes. O espanhol de forma inteligente procurava mudar as direções e pouco a pouco ficou evidente a limitação do adversário, que tentou encurtar os pontos para esticar a partida. Ainda evitou dois match-points, mas foi só.

37 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
30 dias atrás

Esperando o comentário do “analista” que disse que Sinner está jogando mais do que o Djoko jogou em toda a carreira kkkk.

Marcos Ribeiro
Marcos Ribeiro
30 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Mantenho a minha opinião. kkkk 1 jogo é apenas 1 jogo, formar opiniões definitivas partindo de 1 único jogo só revela incompetência analítica. Minha opinião se baseia nos últimos 2 meses. Vou esperar até o final de Wimbledom para reafirmá-la ou reavaliá-la. Hoje, o Sinner passou a errar muito depois que matou 2 curtinhas do Alcaraz. Não sei porque, mas para mim a mudança foi nítida. Até este momento, ele estava confirmando o que eu disse. Aguardemos os próximos torneios.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Marcos Ribeiro

Estatisticamente:

Para ele superar o Djoko de 2011 tem que ganhar 3 slam, 4 masters 1000, pelo menos. O total foram 10 títulos do goat.

Para ele superar o Djoko de 2015 tem que ganhar 3 slam, 6 masters 1000, 1 ato finals e atp 500, pelo menos. O total foram 11 títulos do maior de todos. Obteve 16585 pontos jogando contra Nadal, Federer e Murray.

Tecnicamente, o Djoko 2011 e o de 2015 é muito superior ao Sinner atual. Não é à toa que conseguiu esses números jogando contra Murray, Federer, Nadal, Wawrinka, Del Potro, etc.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
29 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Djokovic aos 22 é a comparação. Tudo pro analista aconteceu em 2011 quando começastes a acompanhar o Esporte. Sinner e Alcaraz jogam muito mais que Novak Djokovic na mesma idade . Jogam mais que todo o Big 3 também . Aos 20 ( caso de Alcaraz ) a situação piora ainda mais a nível de comparação. O Sérvio ficou de 2007 a 2011 como TOP 3 sem conseguir superar Federer e Nadal. Abs!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Errado. Sinner tem 22 anos e ganhou 1 slam. Além disso, não enfrentou Federer e Nadal nesse período. Alcaraz pode ser considerado melhor aos 20 anos, mas a pergunta é a seguinte: vai conseguir ser consistente durante 2 décadas? Somente dessa forma vai poder atingir seu objetivo de superar os recordes do goat.
Outra coisa: perdeu na semifinal para Djoko em RG, semi do atp finals e final de Cincinatti mesmo sendo 16 anos mais jovem.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Comecei a acompanhar tênis em 1997 com Guga. Minha torcida pelo Djoko começa em 2009. Você que deve ter começado em 2005 ou 2006 a acompanhar o freguês suíço.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
29 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Meu primeiro ídolo foi Bjorn Borg que também jogava mais que Novak Djokovic na mesma idade . Se somente tivermos um Big 2 e Alcaraz já com 2 SLAM aos 20 aninhos, não existirá limites pras suas conquistas . Saberemos por volta de 2044 rsrs.. Abs!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
29 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

ICEBORG aos 22 , Já Bicampeão de RG e Campeão de WIMBLEDON, vencedor em 76,77, 78,79,80. Abs!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Sr. Confuso Ribeiro,

O colega disse que o Sinner jogo mais que o Djoko jogou durante toda a carreira. Ele não falou por faixa de idade. Esse Sinner não supera as versões Djoko 2011, 2015, 2021 e 2023. E para igualar as versões 2016 (antes da lesão), 2018 e 2019 vai ter que papar mais 1 slam, pelo menos. A conferir kkkkkkk

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
29 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Sr . Paulinho. Quem disse que a comparação justa é Djokovic aos 22 , e não o que estavam fazendo , fui eu . O teu fanatismo te cega tanto que não consegues ler nada com atenção,sem ficar nervosinho , a não ser repetir “ goat “ a exaustão…rs . Abs!

Antonio
Antonio
29 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Alguém reparou que Sinner estava machucado? Mais do que Djoko é também não. Mas machucado não dá pra jogar.

Rafael Azevedo
Rafael Azevedo
29 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Nem sei porquê vcs dão Ibope a esses tipos de comentários.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
29 dias atrás
Responder para  Rafael Azevedo

Não sei porque o parceiro também dá … rs . Abs!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
30 dias atrás

Estranho. Tinha gente falando que o Sinner era melhor do que qualquer versão do Djokovic, inclusive a de 2011 com 43 vitórias seguidas. Passou longe.

Marcos Ribeiro
Marcos Ribeiro
30 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

kkk Estranho é alguém achar que é precipitação os outros avaliarem com base em 2 ou 3 meses e ele próprio avaliar com base em 2 sets. É cada uma!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
29 dias atrás
Responder para  Marcos Ribeiro

Então vamos racionalizar:

Base em 2 sets <<<< base em 2/3 meses <<<<<<<<<<<<< infinito <<<<<<<<< base na carreira toda.

Sacou?

Djoko 2011: 41 vitórias seguidas
Sinner 2024: 16 vitórias seguidas

Dá nem pro começo.

Abs!

Rodri
Rodri
29 dias atrás
Responder para  Marcos Ribeiro

Mais estranho é analisar alguns poucos meses com uma carreira inteira. Mostra a (in) “capacidade analítica” do sujeito

Jorge
Jorge
30 dias atrás

Ferrer só ganhou um 1000 na carreira, Paris 2012.

Leo
Leo
30 dias atrás

Que jogo. Se estovesse no estadio teria valido a pena o ingresso. Esses dois tem tudo para ter uma rivalidade à altira de Nadal x Djokovic, mas sem tanta polarização de torcida. As lendas do tenis estão para deixar o tenis em boas mãos

Flávio
Flávio
30 dias atrás
Responder para  Leo

Verdade foi um jogasso entre dos tops, com qualidade técnica é isso que falta ao tênis feminino que infelizmente após a saída da Barthi fiou um pouco órfão, há tenistas femininas de boa qualidade como a Jabeur, Marketa, Kenin, Krejikova, Muchovas, Azarenka só que elas são inconstantes e não conseguem evoluir fisicamente que é uma pena.

Evandro
Evandro
29 dias atrás
Responder para  Leo

A diferença (fundamental) é que os dois sempre que perdem estão avariados, machucados. Não me recordo de alguma derrota de ambos que não fosse justificada por limitações físicas. A imprensa é parte nisso. Lenda, quando perde, não aceita diminuir o mérito do vencedor, absorve seus próprios erros e volta melhor, porque aprendeu.

Welton Muller
Welton Muller
30 dias atrás

Em breve esse será o principal duelo dod circuito !

Caio
30 dias atrás

Alcaraz na quadra dura quando liga o modo inferno so o djokovic mesmo pra bater de frente com ele

Fernando Venezian
Fernando Venezian
30 dias atrás

A velocidade e a profundidade que esses caras estão impondo na bolinha é de cair o queixo! O Djoko que não volte motivado não pra ele ver, pois será difícil bater esses dois com esse nível!

Flávio
Flávio
29 dias atrás
Responder para  Fernando Venezian

Fernando Venezian acho que hoje Djokovic não se preocupa muito com isso, então a ele penso que ele quer atingir apenas pelo menos mais 1 slam para chegar no número mágico 25 e superar de vez a Court como o lendário que atingiu a marca de maior vencedor de slam da história e torcerei para isso porque será história mundial do esporte ou tênis, que todos sabem que dificilmente alguém vai atingir esta marca e aí fechará a sua GIGANTESCA, VITORIOSA, carreira com chave de ouro e depois o que vier é diversão para ele, é isso que penso. Abraço.

Silvio
Silvio
30 dias atrás

Djoķovic já está fugindo dos dois, nem vai a Miami.

Jeferson
Jeferson
29 dias atrás
Responder para  Silvio

Kkkkk não fugiu do Nadal e o Federer,vai fugir desses 2 pangaré, é cada uma

Gilvan
Gilvan
29 dias atrás

São os únicos tenistas realmente competitivos no circuito atual. O resto é o resto.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Gilvan

24 > 2 > 1

Gilvan
Gilvan
29 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Rei morto, rei posto. Djoko, o breve, teve o reinado mais curto da história do tênis. Pouco mais de 1 ano, aproveitando a aposentadoria do Federer e o afastamento do Nadal.
Quanto os gatos saem, o rato fez a festa. Agora, novos gatos assumiram o posto e o rato voltou a se esconder.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
29 dias atrás
Responder para  Gilvan

Reinado curto com mais de 8 anos no topo e com pelo menos 420 semanas garantidas? Ninguém nunca chegará nem perto do reinado mais longo da história do esporte, masculino ou feminino.

Na verdade, o GOAT Djoko é um tigre e o Federer um pobre gatinho indefeso que tremia todo só com o rugido da fera. Perdi a conta de quantas amareladas foram.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Gilvan

Rei posto com 420 semanas e 8 temporadas como número 1? Sabe quem é o líder do ranking atual?

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
29 dias atrás
Responder para  Gilvan

Você sumiu após US OPen e Finals 2023. Por que?

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
29 dias atrás

Sinner se lesionou porque alcaraz fez ele se desgastar

Lee
Lee
29 dias atrás

Tambem esperando o comentário que dizia que o Sinner estava jogando mais que o Djokovic no auge da carreira, isso que o Sinner está jogando os torneios sem a presença do Nadal que já está praticamente aposentado e o Alcaraz esta longe ainda do nível do Nadal no auge e acho que ele nunca vai jogar igual o Nadal.

Rafael Azevedo
Rafael Azevedo
29 dias atrás

Grande, Alcaraz.
Esse garoto é um fenômeno!
Muito bom ver suas partidas.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da rápida final masculina de Miami

Collins segura os nervos e bate Rybakina: veja o melhor da final

PUBLICIDADE