PLACAR

Alcaraz: ‘Djokovic te leva ao limite em cada bola’

Foto: Corinne Dubreuil/ATP Tour

Turim (Itália) – A primeira participação de Carlos Alcaraz no ATP Finals terminou no último sábado, com a derrota para Novak Djokovic, no encontro entre os números 1 e 2 do mundo na semifinal em Turim. Após a partida, o jovem jogador de 20 anos avaliou seu desempenho e reconheceu a superioridade do sérvio, destacando a consistência de Djokovic, que foi capaz de se manter em alto nível durante toda a partida, exigindo que o espanhol jogasse com maior risco.

“Inacreditável. Ele leva você ao limite em cada bola, em cada golpe e joga no mesmo nível durante toda a partida. A qualidade dos golpes que ele tem é inacreditável. Ele joga muito fundo e é muito difícil tirar vantagem disso. Mais uma vez, ele mostrou porque é o melhor jogador do mundo”, disse Alcaraz após a derrota por 6/3 e 6/2 no último sábado em Turim.

“Contra um jogador como Novak, tive que me colocar em uma posição de atacar mais ou jogar de forma mais agressiva. Você tem que jogar cem por cento e tentar definir todos os pontos, se não, você está morto (sorrindo). Não se trata apenas de sacar bem, porque ele tem uma ótima devolução. Fiz alguns ótimos pontos, mas depois desses grandes pontos, cometia três ou quatro erros. Contra um jogador como Novak, você não pode fazer isso”, acrescentou o espanhol.

Alcaraz terminou a partida com o dobro de winners, 22 a 11, mas também cometeu 22 erros contra 8 do sérvio. O espanhol disparou dez aces, cinco em cada set, mas sofreu três quebras e não aproveitou nenhum dos quatro break-points que teve na partida.

‘Não estou no nível de Novak nas quadras cobertas’, avaliou
Embora já tenha vencido o sérvio no saibro de Madri e na grama de Wimbledon e feito uma final equilibradíssima contra ele no Masters 1000 de Cincinnati, Alcaraz acredita que a maior experiência de Djokovic nas quadras cobertas fez a diferença na semifinal.

“Sinto que não estou no nível dele em quadra coberta, obviamente. Fiz grandes partidas em Wimbledon, em Cincinnati, em Roland Garros. Obviamente, ele tem mais experiência do que eu jogando nessas quadras. Vou assistir novamente ao jogo para ver minhas fraquezas e ser um jogador melhor”, avaliou. “Tenho que esquecer todas as partidas que joguei contra ele e vou me concentrar apenas nesta, porque senti que tenho que melhorar muitas coisas se quiser ficar no nível dele”.

‘Quero ser o melhor da história’, diz o espanhol

Na próxima segunda-feira, Djokovic completará 400 semanas como número 1 do mundo. E diante de um rival que está acostumado a bater recordes a cada semana, Alcaraz busca motivação e almeja ter uma carreira longa e vitoriosa como a do sérvio, para talvez superá-lo no futuro.

“Estou motivado porque quero vencer esse cara. Quero ser o melhor da história. Treino com um objetivo. Eu quero ganhar dele e vencer todos os torneios que eu jogar. Mas tenho que me manter em alto nível por cerca de 15 anos. Então é inacreditável (sorrindo)”, ponderou o tenista, que tem 36 semanas no topo e dois Grand Slam.

“Mas ao mesmo tempo não vou pensar nisso porque é muito, muito difícil. É algo que só uma lenda do nosso esporte é capaz fazer. É inacreditável o que ele está fazendo, apenas quebrando recordes, vencendo todos os torneios que participa. É uma loucura. Então, tenho uma mistura de motivação e uma mistura de não querer pensar nisso (sorrindo)”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE