PLACAR

US Open será o primeiro Slam com árbitro de vídeo

Foto: Mike Lawrence/ATP

Nova York (EUA) – O US Open será o primeiro Grand Slam a usar um sistema de revisão de vídeo para auxiliar os árbitros. A novidade permitirá que os jogadores desafiem uma série de decisões, como aquelas relacionadas a quiques duplos e toques na rede e usará vários ângulos de câmera para obter a melhor visão desses incidentes.

Segundo a organização do torneio, os árbitros de vídeo enviarão as imagens para uma tela na cadeira do árbitro, bem como para os telões do estádio, quando disponíveis. Os árbitros de cadeira revisarão as evidências para determinar se a decisão original deve ser anulada ou confirmada. Se não houver evidências claras, a decisão inicial será mantida.

Assim como acontecia quando os tenistas podiam desafiar marcações de bola dentro ou fora – que hoje são assinaladas eletronicamente – os jogadores e suas equipes terão direito a três desafios por set e um adicional nos tiebreaks. O sistema estará disponível nos estádios Arthur Ashe, Louis Armstrong, Grandstand e também nas quadras 5 e 17.

A ATP testou um sistema de arbiragem de vídeo nos últimos anos em eventos como o Next Gen Finals e a ATP Cup e o retorno foi considerado positivo. Já a WTA ainda não utilizou o sistema em seus eventos e, segundo a agência Reuters, ainda não tem planos imediatos de implemantá-lo no circuito feminino.

‘Vimos o que aconteceu com a Zhang’, lembra Iga
Número 1 do mundo e atual campeã do US Open, Iga Swiatek não sabia que a mudança estava sendo implementada em Nova York, mas aprovou a novidade: “Precisamos disso no tênis porque há muitos pontos importantes que podem realmente mudar o rumo do jogo. Os árbitros precisam tomar decisões muito rápido e às vezes seria bom para eles fazer um replay e ver exatamente o que aconteceu”.

A polonesa ainda lembrou do jogo entre chinesa Shuai Zhang e a húngara Amarissa Toth pelo WTA 250 de Budapeste em julho. Na ocasião, uma bola de Zhang foi marcada fora e a chinesa se sentiu prejudicada. “Nós vimos o que aconteceu em Budapeste. Não é fácil para os jogadores aceitarem que às vezes essas decisões podem ser injustas. Acho que vai ajudar muito para o jogo ficar mais justo. Outros esportes estão se desenvolvendo nesse sentido, então o tênis também deveria”.

Outro lance marcante na temporada foi uma disputa na rede entre Milos Raonic e Frances Tiafoe pelo Masters 1000 de Toronto, em que Tiafoe acabou fazendo o ponto mesmo depois de tocar na rede. Na ocasião, o árbitro de cadeira explicou aos tenistas em quadra que a jogada foi válida porque o norte-americano tocou a rede fora dos limites da quadra de simples.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE