PLACAR

Samsonova supera Rybakina e decide no Canadá

Foto: Site oficial

Montréal (Canadá) – A iluminada semana da russa Liudmila Samsonova teve mais um capítulo importante neste domingo. Em semifinal adiada da véspera por conta do mau tempo, ela derrotou a número 4 do mundo Elena Rybakina de virada, com parciais de 1/6, 6/1 e 6/2, e voltará no começo da noite à quadra para decidir seu primeiro WTA 1000.

A adversária será a norte-americana Jessica Pegula, que vem de vitória sobre a líder do ranking Iga Swiatek. Até agora, Samsonova já eliminou a vice-líder Aryna Sabalenka e a campeã olímpica e 13ª do mundo Belinda Bencic. Nos confrontos diretos, Pegula ganhou dois de três, no saibro de Roma de 2022 e no sintético de Cincinnati em 2020, enquanto Samsonova levou a melhor em Wimbledon de 2021.

Aos 24 anos, Samsonova garantiu o retorno ao 12º lugar do ranking e ainda poderá avançar mais uma posição em caso de título. Ela fez a segunda final da temporada, depois do vice em Abu Dhabi, e tenta o quinto troféu da carreira. Seu maior título até agora foi obtido em Tóquio, no ano passado.

Curiosamente, Samsonova jamais havia sequer passado das oitavas de final nas 16 participações anteriores em torneios de nível 1000. No entanto, entrou em quadra com histórico favorável diante de Rybakina, a quem venceu dois anos atrás lá mesmo em Montréal e depois em Tóquio. Nada menos que oito de suas 11 semifinais na carreira foram sobre o piso duro.

Rybakina não havia perdido qualquer das quatro semifinais feitas neste ano, mas pareceu sentir algum desgaste físico após o primeiro set, em que se aproveitou dos erros da adversária. Apressada e descalibrada, a cazaque não suportou o bom ritmo de Samsonova. A russa percebeu o momento, atacou as devoluções e ainda se aproveitou dos 49% de primeiro saque de Rybakina, que jogou com proteção no ombro.

A russa forçou muito mais e terminou com 26 a 19 na contagem dos winners e com 28 a 18 nos erros não forçados.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE