PLACAR

Sabalenka e Swiatek divergem sobre regra do ‘bye’

Foto: China Open

Pequim (China) – A regra do ‘bye por desempenho’ voltou a ser assunto durante as entrevistas das duas primeiras colocadas do ranking no WTA 1000 de Pequim. Aryna Sabalenka e Iga Swiatek falaram sobre o assunto no início desta semana. A regra esteve em vigor entre 2009 e 2019 e foi retomada este ano para as semanas de torneios na Ásia, em Tóquio e Pequim. O sistema havia sido criticado pela cazaque Elena Rybakina, número 5 do mundo, que se sentiu prejudicada na semana passada.

Pela regra, as tenistas que chegaram às semifinais no WTA 1000 de Guadalajara há duas semanas e jogassem o 500 Tóquio, teriam folga na primeira rodada, independentemente do ranking. Isso se repetiu nesta semana. Quem fez semi no Japão foi direto para a segunda fase na capital chinesa. A ideia visa dar maior tempo de preparação e adaptação para as jogadoras que foram bem na semana anterior, além de impedir que uma tenista atue em dias seguidos, entre a final de um torneio e a primeira rodada de outro.

Para Sabalenka, regra precisa de ajustes e comunicação não foi ideal

Sabalenka, que já havia sido beneficiada por essa regra em 2019, questionou alguns pontos apresentados e acredita que a divulgação não foi a ideal para as jogadoras. “Eu sabia que isso ia acontecer, porque eles enviaram um e-mail para nós hoje e todo mundo sabe sobre o ‘bye por performance’, mas não entendi muito. Eu pensei que seriam vagas extras”.

“Acho que você tem que merecer essas vagas pela consistência do seu jogo, e não apenas por jogar bem em uma semana. Eu não concordo com isso. Quero dizer, estou feliz pelas jogadoras que conseguiram, mas espero que não continue no resto do ano. Quero dizer, seria compreensível se fosse do WTA 1000 de Guadalajara para o 1000 daqui. Isso eu entenderia, mas não de um torneio 500 para um 1000”, avaliou a nova número 1 do mundo.

Swiatek acredita que o sistema ajuda a ter melhor preparação

Já a vice-líder do ranking Iga Swiatek está jogando torneios com essa regra pela primeira vez na carreira aos 22 anos e diz que não se importa em ter que jogar uma partida a mais. “Acho que é inteligente porque sei como é correr de um torneio para o outro, quando chego a uma final, e não ter tempo para descansar e me preparar. Então eu acho que essa regra está boa e faz sentido. Mas com certeza é diferente, porque geralmente são só as jogadoras com melhor ranking recebem o ‘bye'”.

“Esses são os primeiros torneios que estou jogando onde é possível conseguir esse tipo de coisa, mas já está no circuito há muito tempo. E sei que houve alguma confusão e mal-entendido”, ponderou a polonesa. “Mas honestamente, eu só quero me concentrar em mim mesma. Para mim não importa se vou jogar mais uma partida. É mais uma oportunidade para jogar melhor e tentar vencer. Então realmente não importa para mim se vou jogar outra partida ou não”.

Líderes do ranking estão nas oitavas em Pequim
Iga Swiatek terá um duelo polonês nas oitavas em Pequim diante da 25ª do ranking Magda Linette. O jogo está marcado para às 5h (de Brasília) desta quarta-feira. Apesar de serem do mesmo país, elas se enfrentam pela primeira vez. Já Sabalenka só volta a atuar na quinta-feira, quando enfrentará a italiana Jasmine Paolini. As duas primeiras do ranking ainda não perderam sets nas fases iniciais, Sabalenka bateu Sofia Kenin e Katie Boulter, enquanto Swiatek passou por Sara Sorribes e Varvara Gracheva.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE