PLACAR

Sabalenka comenta sobre exposição de sua vida na Netflix

Foto: Vince Caligiuri/Tennis Australia

Melbourne (Austrália) – Lançada nesta semana, a segunda temporada da série “Break Point”, da Netflix, traz novamente como uma de suas protagonistas a bielorrussa Aryna Sabalenka. No primeiro episódio, o programa acompanha a saga da tenista em busca do seu primeiro título de Grand Slam, que finalmente aconteceria no Australian Open da última temporada.

Ao longo do capítulo, a atual número 2 do mundo expõe sua história familiar e a influência do pai, Sergey, ex-jogador de hóquei no gelo, que faleceu em 2019, em sua vida e carreira. A jogadora conta como se inspirou no estilo agressivo dele e em muitos momentos se emocionou com sua ausência, em especial após cumprir a “profecia” do pai de que ela ganharia um Slam antes de completar 25 anos.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Questionada pela imprensa no primeiro dia de entrevistas oficiais em Melbourne, ela falou como foi se abrir em frente às câmeras sobre temas tão pessoais e delicados. “Sou uma pessoa aberta. Para mim não é tão difícil falar da minha vida e foi importante compartilhar minha história. Espero que as pessoas se sintam mais próximas de mim neste momento e me entendam melhor. Toda vez que falava sobre minha família eu me emocionava, pois não é um assunto fácil para mim. Mas estou feliz que todos assistiram e conheceram minha história”, comentou.

Sabalenka também destacou que a produção da série ajuda a mostrar o quão dura é a vida de um atleta e os altos e baixos vividos por cada um deles diariamente. “Foi ótimo a Netflix filmar e mostrar às pessoas que também estamos lutando muito, que não existem apenas momentos incríveis e não estamos apenas nos divertindo.”

Ainda segundo ela, estar em quadra é uma das coisas que mais gosta de fazer. “Honestamente, é isso que tenho feito durante toda a minha vida. Quando não estou trabalhando, é impossível ficar sentada na sala sem fazer nada. Preciso de um cronograma, acordar, trabalhar, ter um tempo livre e treinar de novo. Pra mim, ficar em casa é super chato, é algo impossível de fazer. Acho que trabalhar duro é realmente muito divertido. Eu gosto disso”, revelou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Toda a comemoração de Alcaraz na conquista de Roland Garros

Jannik Sinner é o 29º homem a liderar o ranking profissional

PUBLICIDADE